27.2 C
Vitória
sexta-feira, 23 abril, 2021

Dia Mundial da Saúde: ‘Desigualdades com vacinas são imorais’, dizem ONU e OMS

Diversos países celebram nesta quarta-feira (7) o Dia Mundial da Saúde, a data ganha ainda mais importância em meio à pandemia de Covid-19, que há pouco mais de um ano atingiu todas as nações do mundo de forma arrasadora e igualitária, e atualmente acumula milhares de vítimas.

No entanto, como afirmaram os líderes da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização das Nações Unidas (ONU), as desigualdades anteriores ao vírus se intensificaram neste período e passaram a simbolizar um perigo para a saúde de bilhões de pessoas ao redor do mundo, sobretudo, com a disparidade na aquisição de vacinas contra a Covid-19.

Para o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, a concentração de vacinas em um pequeno grupo de países economicamente desenvolvidos representa desigualdades “imorais e perigosas para a nossa saúde, nossa economia e nossa sociedade”.

“A grande maioria das doses da vacina Covid-19 administradas foi em alguns países ricos ou em países produtores de vacinas. Essas desigualdades são imorais e perigosas para nossa saúde, nossas economias e nossas sociedades. Neste Dia Mundial da Saúde, vamos nos comprometer com um mundo saudável e justo”, escreveu Guterres em sua conta oficial no Twitter.

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom, também usou as redes sociais para fazer uma série de publicações em comemoração ao Dia Mundial da Saúde, no entanto, as postagens não escaparam das críticas ao nível de desigualdade global estabelecido na maioria dos sistemas de saúde de países em desenvolvimento.

“As desigualdades na saúde tornam o globo Europa-África menos seguro e menos sustentável. À medida que nos reconstruímos do Covid-19, é vital investir em melhores serviços de saúde e remover as barreiras que impedem tantas pessoas de usá-los – para que mais pessoas tenham a chance de viver uma vida saudável”, escreveu em sua conta no Twitter.

A importância do SUS no combate à Covid-19

O Sistema Único de Saúde atende as mais de 200 milhões de pessoas que moram hoje no Brasil – do pobre ao rico, do recém-nascido ao idoso. Porém muitos brasileiros acreditam nunca terem usado o SUS. Tal pensamento se dá pelo desconhecimento da amplitude dos serviços oferecidos. Vacinação, Saneamento Básico, pré-natal, SAMU, tratamentos para câncer, ISTs, transplantes, banco de sangue, hemodiálise e centenas de medicamentos gratuitos são alguns exemplos que comprovam a integralidade do SUS.

Segundo o presidente do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), Wilames Freire, celebrar o Dia Mundial da Saúde, mesmo em uma situação de pandemia, é uma oportunidade de ressaltar a importância do SUS.

“Acredito que se não tivéssemos o SUS, principalmente nesse cenário que estamos vivendo, a população brasileira estaria completamente desamparada. O SUS é uma das maiores conquistas do Brasil e devemos valorizar e fortalecer os profissionais de saúde e os gestores de saúde que estão na ponta fazendo com que esse sistema tenha força para existir”.

Já para o presidente do Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Saúde (Conass), Carlos Lula, o SUS precisa ser enaltecido principalmente na pandemia, momento no qual mostrou ser um sistema punjante.

“Neste dia em que celebramos essa data importante, temos de bater palmas para o SUS, pois se não fosse ele, teríamos perdido muito mais vidas. Nesta pandemia, nossos profissionais de saúde tornaram-se verdadeiros heróis e heroínas combatendo este inimigo invisível. Celebramos este dia com a esperança de que o amanhã pode ser melhor para que possamos cumprir a nossa missão de salvar vidas”.

*Com informações da CNN Brasil e Agência Brasil

- Publicidade -

Matérias relacionadas

ES Brasil Digital

Continua após publicidade

Fique por dentro

Vida Capixaba

Continua após publicidade