21.5 C
Vitória
domingo, 12 julho, 2020

Dia do trabalho: comemoramos ou preocupamos?

Leia Também

Dicas de suplementos para quem busca imunidade, saúde mental e beleza corporal

Nem sempre conseguimos tudo isso sem uma orientação médica e só com a alimentação do dia a dia. Fique atento às dicas de especialistas!

Como usar e higienizar as máscaras caseiras? Atente-se às dicas!

A Secretaria Municipal de Saúde de Cachoeiro de Itapemirim desenvolveu um protocolo de uso e higienização das máscaras para quem os usa diariamente.

Musical “Tropicalinha” agita Diversão em Cena ArcelorMittal

A live contará a história que se passa no fictício Reino de Pindorama, governado por uma rainha autoritária e que proibia a música.

Tecnologia faz produção de café conilon “pocar” no Norte do ES

Quem apostou em sistemas de irrigação modernos, aliados ao manejo correto integrado, já começa a colher os primeiros frutos de uma tecnologia que veio para ficar.

No dia do trabalho, o trabalhador  brasileiro tem mais motivos para lamentar do que comemorar

O dia do trabalho é celebrado no mundo todo de uma forma singular: ninguém trabalha.

Por quê? Indiferença ou insatisfação?

No Brasil, insatisfação. Há mais motivos para preocupar do que para celebrar. Por quê?

Porque 13,1% da força de trabalho está desocupada, e o rendimento real médio daqueles que estão trabalhando é  R$2169 – pouco mais de 2 salários mínimos. Mas, 50% recebe até 1 salário mínimo. O número de empregados sem carteira assinada é 1/3 daqueles com carteira, e seu rendimento 40% menor. E o contingente sem carteira assinada aumentou 5,2%, no primeiro trimestre de 2018 em relação ao mesmo período de 2017; enquanto o número de empregados com carteira assinada caiu, nesse período, 1,5%.

Ainda que estejamos saindo de uma recessão, essas estatísticas são reflexos de um sistema de ensino que não tem sido capaz de formar cidadãos com habilidades profissionais. Temos apenas 13,5% dos brasileiros com curso superior concluído; e 26,4% com o ensino médio. E dentre os que concluíram o ensino médio, somente 17% estão alfabetizados em matemática, e 23% alfabetizados em português.

Na sequência, temos a produtividade da mão-de-obra estagnada no nível que era nos anos 1980, e pisos salariais baixos.

Segundo dados da PNAD, no período 2012-2017, o rendimento  médio foi de R$2100.

Esses números preocupam. Tem que ser resolvido o entrave do ensino no Brasil.

Há iniciativas em curso. Mas pra valer, o ensino tem que ser tomado como Política de Estado. E isso ainda não aconteceu. Falta um programa de ensino que esteja direcionado a priorizar, desde a pré-escola, o ensino dos códigos da linguagem – português e matemática.  E, na medida que se avançar no domínio desses códigos, utiliza-los para ensinar/apresentar as áreas de conhecimento existentes.

Por esse caminho, o estudante será capaz de identificar o mundo e escolher por onde quer segui-lo. Terão discernimento para reconhecer seus talentos e vocações.

Para chegar aí, precisamos que o sistema de ensino brasileiro reintroduza o curso de formação para o magistério; que resgate o respeito a esta categoria profissional; e atraia aqueles que têm talento e vocação para ser um educador.

Os pais também precisam assumir o papel que lhes cabe nesse processo – educar. Passar aos filhos as noções de disciplina, respeito, obrigação, direito e hierarquia.

Escola e família são complementares. Sem essa parceria, sempre haverá subemprego e renda baixa – o retrato do mercado de trabalho apontado pela PNAD. O desemprego parou de aumentar, mas ainda é alto.

Como há capacidade ociosa, há espaço para a empresas aumentarem suas produções e gerarem vagas de trabalho. Isso já teria ocorrido se a mão de obra fosse qualificada. Mas o que se vê é o contrário.

É que a recessão fez as empresas se ajustarem e aumentarem suas eficiência, demitir os menos eficientes. Estão mais seletivas na contratação de mão-de-obra porque sabem da sua baixa produtividade.

Para piorar, a tecnologia vem eliminando muitos postos de trabalho e/ou ocupações.

Por isso, no dia do trabalho, o trabalhador  brasileiro tem mais motivos para lamentar do que comemorar.


Arilda Teixeira é Economista e professora da Fucape


Leia mais:

Taxas para despacho de bagagem em viagens aéreas: regulação sem senso de direção

Continua após a publicidade

ES Brasil Digital

Continua após publicidade

Fique por dentro

Tecnologia faz produção de café conilon “pocar” no Norte do ES

Quem apostou em sistemas de irrigação modernos, aliados ao manejo correto integrado, já começa a colher os primeiros frutos de uma tecnologia que veio para ficar.

Feirão Limpa Nome: seis passos antes de renegociar!

Mas antes de ir para a etapa de negociações é importante que o consumidor conheça seus números e faça uma faxina financeira.

CNI: confiança dos empresários da indústria melhora pelo 3ª mês seguido em julho

As expectativas com relação aos próximos seis meses já são otimistas", destacou a CNI, no documento. Confira! Por Eduardo Rodrigues (AE) Após bater no fundo do...

ArcelorMittal Tubarão religará o segundo alto-forno neste mês

O equipamento, com capacidade para produção de 1,2 milhão de toneladas de ferro gusa/ano, estava paralisado desde o ano passado, quando passou por uma ampla reforma de manutenção.

Vida Capixaba

Mães à beira de um ataque de nervos

Não há descanso para as mamães, em casa, durante a pandemia Por Letícia Vieira Patrícia achou estranho o silêncio repentino, fazia meses que aquilo não acontecia:...

Escolas de Vila Velha são notificadas por não dar descontos nas mensalidades

As instituições privadas de ensino que não estão aplicando o desconto previsto na Lei Estadual nº 11.144/2020, válida a partir do dia 19 de junho.

Tempo instável neste fim de semana no ES. Confira a previsão!

Uma frente fria se afasta lentamente em direção ao norte do Espírito Santo, mas o tempo permanece com muitas nuvens e poucas aberturas de sol na maior parte do Estado.

Famílias têm papel fundamental na relação da criança com mundo digital

Rotinas offline ajudam a criança a desenvolver autorregulação. Saiba mais! Durante a pandemia de covid-19, os dispositivos eletrônicos com acesso à internet se tornaram...
Continua após publicidade