22.4 C
Vitória
quarta-feira, 20 janeiro, 2021

De quem é a conta?

Mais Artigos

Pelo fim dos consensos políticos

De fato, conforme a filosofia de Aristóteles, somos seres racionais dotados da capacidade de avaliar, sob o ponto de vista lógico

Crise sobre rodas

A era do carro movido a combustível fóssil está com seu tempo contado. A Ford não está sabendo enfrentar concorrência, também

Foto: Nano Paniago / ACICG

A conta tem que ser de todos, e ela será menor o quanto mais cedo esquentarmos a nossa economia

Por Vaner Corrêa

Com razão o atual presidente da República vetou a prorrogação da desoneração da folha de pagamento, que atinge em torno de 17 setores da economia, os que mais empregam no país. Mas, se a conta em 2021 não for deles, indubitavelmente, será da União, que já está combalida.

É um tema que sai bastante caro para as duas atuais escolas de pensamento econômico que se embatem em torno da discussão sobre a participação e o tamanho do estado brasileiro. Os liberais defendem que o estado deve ser mínimo e interferir o menos que puder nas sagradas leis de mercado. Já os Keynesianos advogam que o estado deve intervir, sempre que puder, e o seu tamanho tem que ser de acordo com os problemas estruturais a serem resolvidos.

A pandemia, além de deixar todo o tecido social mundial perplexo ante à impotência e à resposta tímida da ciência, também trouxe uma certa desmoralização para os sectários seguidores do liberalismo.

Aparentemente, os remédios Keynesianos até surtiram alguns efeitos na pandemia, pois se o estado não entrasse financiando as despesas dos menos favorecidos e das empresas, com certeza, estaríamos num estado de calamidade pública. Entretanto, acredito que o próprio Keynes ao ouvir algumas blasfêmias dos seus atuais seguidores, deve estar dando cabeçadas no seu túmulo, pois o estado intervém para estimular o setor privado, cabe ao estado em momentos de crise provocar o setor privado no sentido de reaquecer a economia.

Se a economia continuar parada em função da pandemia, o estado não terá como financiar por muito tempo nem as suas atividades. Se a economia não reaquecer, o lado real começar a esquentar, as fontes financiadoras acabarão.

Assim sendo, a discussão quanto ao atual veto não se trata de disputa de pensamento econômico, mas de algo bastante pragmático, ou seja, chega de ficarmos isolados. É o momento de todos comprarmos e vendermos os produtos e serviços e voltar a pensar microeconomicamente para que os grandes agregados da economia tomem expressão para o próximo ano.

Prorrogar esta desoneração até o final de 2021, além de ser uma medida da raia política, que é algo preparatório para desmoralizar qualquer governante, é pensar que o Brasil possui um PIB à altura dos EUA ou da China, respectivamente, no ano base 2018, 20 trilhões e 13 trilhões de dólares. Nosso país, neste 2018, só tinha timidamente 1,8 trilhão de dólares. A conta tem que ser de todos, e ela será menor o quanto mais cedo esquentarmos a nossa economia.

Vaner Corrêa é perito em Engenharia Financeira e Conselheiro do Corecon-ES

ES Brasil Digital

ESBrasil-184 - Retrospectiva
Continua após publicidade

Fique por dentro

Produção agropecuária de 2020 alcança R$ 871 bilhões

as variáveis determinantes para os resultados estão relacionadas aos preços dos produtos no mercado interno

Balança comercial do agronegócio soma US$ 100,81 bilhões em 2020

esses setores foram responsáveis por 80% das exportações do agronegócio em 2020, contra os 78,9% de participação registrados em 2019

Conab estima colheita de 264,8 milhões de toneladas de grãos

A Conab ressalta que, neste quarto levantamento, houve uma revisão da periodicidade e metodologia do quadro de oferta e demanda de arroz

2ª onda não tem mesmas consequências econômicas da 1ª

Bruno Serra afirmou também que a instituição precisou adotar um grau de estímulo monetário "forte" no Brasil

Vida Capixaba

prêmio de fotografia ‘As belezas que Anchieta viu’

O Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) divulgou, nesta terça-feira (19), o resultado do prêmio de fotografia “As belezas que Anchieta viu”

Novas espécies de insetos são descobertas no Espírito Santo

Oito novas espécies de insetos foram descobertas na região norte do Espírito Santo

Festival verão sem aglomeração

O Festival de Verão sem Aglomeração acontece de 18 a 23 de janeiro

Vai um queijinho aí?

O município de Ibitirama ganhou sua primeira agroindústria, o negócio é uma queijaria e foi o primeiro estabelecimento de 2021