19.9 C
Vitória
sábado, 8 agosto, 2020

De quem é a conta?

Mais Artigos

Dividendos “isentos” são taxados em 34%

No Brasil, com mais de 60 tributos federais, estaduais e municipais, uma empresa gasta, em média, 62,5 dias ou 1.501 horas ao ano para pagar impostos

A reforma tributária no Congresso Nacional

A reforma tributária é dos temas mais complexos a ser abordado pelos parlamentares

LAVA JATO: correção de rumos ou ataque frontal?

O tabuleiro da política nacional incorporou no jogo os resultados da Operação Lava Jato, isso é inegável

Roleta russa na educação

Em Vitória, a Câmara de Vereadores discute a proibição da volta às aulas nas redes pública e privada, enquanto vigorar o decreto de calamidade pública devido à Covid-19

Foto: Nano Paniago / ACICG

A conta tem que ser de todos, e ela será menor o quanto mais cedo esquentarmos a nossa economia

Por Vaner Corrêa

Com razão o atual presidente da República vetou a prorrogação da desoneração da folha de pagamento, que atinge em torno de 17 setores da economia, os que mais empregam no país. Mas, se a conta em 2021 não for deles, indubitavelmente, será da União, que já está combalida.

É um tema que sai bastante caro para as duas atuais escolas de pensamento econômico que se embatem em torno da discussão sobre a participação e o tamanho do estado brasileiro. Os liberais defendem que o estado deve ser mínimo e interferir o menos que puder nas sagradas leis de mercado. Já os Keynesianos advogam que o estado deve intervir, sempre que puder, e o seu tamanho tem que ser de acordo com os problemas estruturais a serem resolvidos.

A pandemia, além de deixar todo o tecido social mundial perplexo ante à impotência e à resposta tímida da ciência, também trouxe uma certa desmoralização para os sectários seguidores do liberalismo.

Aparentemente, os remédios Keynesianos até surtiram alguns efeitos na pandemia, pois se o estado não entrasse financiando as despesas dos menos favorecidos e das empresas, com certeza, estaríamos num estado de calamidade pública. Entretanto, acredito que o próprio Keynes ao ouvir algumas blasfêmias dos seus atuais seguidores, deve estar dando cabeçadas no seu túmulo, pois o estado intervém para estimular o setor privado, cabe ao estado em momentos de crise provocar o setor privado no sentido de reaquecer a economia.

Se a economia continuar parada em função da pandemia, o estado não terá como financiar por muito tempo nem as suas atividades. Se a economia não reaquecer, o lado real começar a esquentar, as fontes financiadoras acabarão.

Assim sendo, a discussão quanto ao atual veto não se trata de disputa de pensamento econômico, mas de algo bastante pragmático, ou seja, chega de ficarmos isolados. É o momento de todos comprarmos e vendermos os produtos e serviços e voltar a pensar microeconomicamente para que os grandes agregados da economia tomem expressão para o próximo ano.

Prorrogar esta desoneração até o final de 2021, além de ser uma medida da raia política, que é algo preparatório para desmoralizar qualquer governante, é pensar que o Brasil possui um PIB à altura dos EUA ou da China, respectivamente, no ano base 2018, 20 trilhões e 13 trilhões de dólares. Nosso país, neste 2018, só tinha timidamente 1,8 trilhão de dólares. A conta tem que ser de todos, e ela será menor o quanto mais cedo esquentarmos a nossa economia.

Vaner Corrêa é perito em Engenharia Financeira e Conselheiro do Corecon-ES

ES Brasil Digital

Continua após publicidade

Fique por dentro

Balança comercial tem superávit de US$ 8,060 bilhões em julho

O resultado de julho foi mais do que o dobro registrado no mesmo mês do ano passado, quando foi positivo em US$ 2,391 bilhões

Educação é a maior despesa dos municípios capixabas

Levantamento da 26ª edição do anuário Finanças dos Municípios Capixabas, da Aequus Consultoria, publicado em julho de 2020, traz um apanhado detalhado da gestão...

Iluminação de Vila Velha: confira resultado do leilão

O parque de iluminação pública de Vila Velha (ES) será ampliado e modernizado pelo Consórcio SRE – IP Vila Velha, pelos próximos 20 anos.

Dia dos Pais: 47,8% das pessoas comprarão presentes on-line

De acordo com uma pesquisa, 57,6% das pessoas entrevistadas pretendem celebrar o Dia dos Pais; 21,5% ainda estão na dúvida sobre comemorar ou não.

Vida Capixaba

Dia internacional da cerveja: mulheres ganham cada vez mais espaço

Apesar de ainda sofrerem preconceito, mulheres estão cada vez mais conquistando espaço no meio cervejeiro. A data é comemorada sempre na primeira sexta-feira de agosto,...

Curso gratuito de gestão

Empresa de tecnologia lançou o treinamento para formação de gestores com foco ERP devido a carência de bons gestores com capacidade para desenvolver o...

Espaço Baleia Jubarte reaberto

O Projeto Baleia Jubarte e a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, junto com o Projeto TAMAR, prepararam um protocolo de segurança específico para o Espaço Baleia Jubarte e Centro de Visitantes

Novas pinturas do Homero Massena são descobertas

Uma equipe que trabalha na reforma e conservação do Museu Homero Massena, teve uma supresa! Por trás de várias camadas de tinta de uma...