23.3 C
Vitória
quarta-feira, 24 abril, 2024

Material de construção: consumo deve crescer 10% no ES

Material de construção: consumo deve crescer 10% no ES

De acordo com pesquisa do IBOPE, a Classe B seria responsável por quase metade dos gastos com esses produtos no Estado

O consumo de material de construção no Espírito Santo deve movimentar R$ 2,6 bilhões no comércio local neste ano, crescimento de 10% em relação ao ano passado, quando os capixabas gastaram R$ 2,3, bilhões com esses produtos. As estimativas são do Pyxis Consumo, ferramenta de dimensionamento de mercado do IBOPE Inteligência, que também projeta um gasto por habitante no estado de R$ 871,13, superior aos R$ 797,77 de 2012.

- Continua após a publicidade -

Os dados do Pyxis Consumo revelam que a classe B é a que apresenta o maior potencial de consumo no Espírito Santo. A estimativa é que essa classe desembolse R$ 1,2 bilhão com esses produtos, o que representa 45% do que será consumido no estado neste ano. Logo atrás está a classe C, com potencial de consumo estimado em R$ 1 bilhão, o que representa 39% do total.

No Brasil, os gastos com material de construção devem somar R$ 119 bilhões, 9% acima do consumido no ano passado. Assim como no Espírito Santo, classe B é a que tem o maior potencial de consumo: R$ 49 bilhões (41% do total projetado para o país). Em seguida está a classe C, com estimativa de gastos de R$ 44 bilhões (37% do total).

O potencial de consumo refere-se apenas ao consumo domiciliar, ou seja, às compras de pessoa física junto a varejistas do ramo e inclui tintas e acessórios para pintura, material elétrico, material hidráulico, material básico, ferragens, madeiras, esquadrias, portas e batentes, pisos e revestimentos, metais para banheiro, luminárias e outros produtos para construção e reforma.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 220

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA