21.1 C
Vitória
sexta-feira, 10 abril, 2020

Considerações Jurídicas Sobre o Marketing Multinível

Leia Também

Torta capixaba: mais de 400 anos de história e tradição

Um dos principais pratos típicos capixabas, que é herança portuguesa e indígena, cai no gosto de todos que a provam A Semana Santa é uma...

Número de casos confirmados por coronavírus no ES sobe para 300

Destes, 41 pacientes já estão curados, 202 estão em isolamento residencial e 50 estão internados, sendo 33 em Unidades de Terapia Intensiva (UTI).

‘Eu teria cortado a cabeça dele’, diz Onyx sobre Mandetta

Em conversa divulgada pela CNN Brasil, Onyx diz que não fala com Mandetta há dois meses e que, se estivesse na cadeira do presidente Jair Bolsonaro, teria "cortado a cabeça" dele.

Preços de combustíveis caem consideravelmente no Estado. Entenda!

Há mais de 30 dias, os postos de combustíveis operam com valores mais baixos. A redução chega a ser de R$ 0,60 em alguns locais do Espírito Santo.

O marketing multinível, ou marketing de rede, é um modelo de vendas em que um revendedor ganha uma participação nos lucros obtidos por si e por sua rede de revendedores. Trata-se, também, de uma modalidade de venda direta que se baseia no contato pessoal entre vendedores e clientes para transações de produtos e serviços.

Sempre haverá alguém dizendo que o marketing multinível é um engano e que somente uns poucos ganham dinheiro. Mas eu ouso dizer que o marketing multinível é uma das mais brilhantes estratégias comerciais existentes. Todos os negócios trazem riscos. Para quem empreende, para os distribuidores e lojistas e também para os empregados. O Uber entrou na China e de lá saiu logo, sem sucesso. O Walmart, a maior rede varejista do mundo, patinou no Brasil por quase duas décadas e acabou vendendo as suas operações no país em 2018.

Marketing multinível é um negócio totalmente legal e legítimo no Brasil, apesar de não haver uma legislação específica para o MMN. A propósito, este foi um dos principais motivos para que escrever o “Guia Jurídico do Marketing Multinível”: auxiliar empresas e operadores do MMN a conhecer os seus direitos. Não é admissível que um negócio decente de MMN, com boas intenções, torne-se refém de uma autoridade pública que, da sua cabeça, simplesmente ache que a empresa é uma pirâmide, sem que seja. Os direitos precisam ser respeitados! O direito é um ramo das ciências sociais cujo objeto de estudo são as normas obrigatórias que controlam as relações dos indivíduos em uma sociedade. É o conjunto de conhecimentos relacionados com as normas jurídicas determinadas por cada país.

A Constituição da República Federativa do Brasil, ou simplesmente Constituição Federal, é a mãe de todas as leis. Nenhuma norma pode desdizer o que está estabelecido na Carta Magna. Ela é a guardiã dos direitos e deveres, tanto das pessoas naturais (ou físicas) como jurídicas, sejam de direito público, sejam de direito privado. E é a Constituição Federal que garante, como princípio fundamental, a livre iniciativa, no inciso IV do artigo 1º. Livre iniciativa significa que eu posso empreender em tudo aquilo que não for proibido expressamente por lei. Trata-se de um princípio considerado fundamento da ordem econômica, atribuindo à iniciativa privada o papel primordial na produção ou circulação de bens ou serviços, constituindo a base sobre a qual se constrói a ordem econômica, cabendo ao poder público apenas uma função supletiva, pois a Constituição Federal determina que ao Estado compete somente a exploração direta da atividade econômica quando necessária à segurança nacional ou relevante interesse econômico (CF, art. 173).

Há alguns projetos de lei sobre o MMN tramitando no Congresso Nacional, liderados pelo PL 6667 de outubro de 2013, cujo objetivo é regulamentar o marketing multinível e estabelecer normas de proteção aos empreendedores. O PL está parado no Congresso desde 2014. No entanto, há partes do projeto que são inaceitáveis, verdadeiras aberrações. Destaco e comento dois pontos absurdos do Projeto de Lei. (1) para realizar atividade de marketing multinível, a operadora deve depositar plano de viabilidade econômico-financeira endossado por ao menos um banco comercial com rede de agências de ampla estrutura do território nacional. > meu comentário: o PL, neste particular, inviabilizará muitos empreendimentos de MMN. Qual a razão para isso? De quais empresas isso é exigido? A não ser bancos e seguradoras, nenhum outro segmento tem exigência sequer parecida. (2) Toda operadora de marketing multinível é obrigada a treinar o empreendedor em forma presencial e comprovar que o candidato obteve presença às aulas de no mínimo 90%, bem como aproveitamento na nota final de pelo menos 70%, sem o que não poderá ser acatada sua adesão à rede. > meu comentário: outra aberração. Isso é exigido para ser empregado de alguma outra empresa, seja comercial, industrial, financeira ou prestadora de serviços? A intromissão do Estado seria descabida e inconstitucional, uma afronta à livre iniciativa. Os deputados estão propondo excluir milhares de pessoas de suas atividades como líderes, divulgadores, afiliados ou participantes de rede. E a adesão on-line? Não será permitida? Um retrocesso.

Defendo que o empreendedor, antes de dar início ao seu negócio que traga como estratégia o marketing multinível, implante o que intitulei Plano de Prevenção Jurídica – PPJ. A viabilidade jurídica que proponho, como parte do PPJ, vai além, muito além, da embalagem do negócio. É essencial se aprofundar no negócio; questionar todos os pontos; verificar se há brechas na operação; aferir a consistência financeira da empresa tomando por base os seus custos diversos, inclusive com bônus e premiações. Em tudo o que envolve o MMN, o cuidado a se tomar deve ser maior por conta de diversos problemas e da linha – às vezes tênue – que separa o marketing multinível de uma pirâmide financeira. Por essa razão, é essencial que empresários, líderes e demais operadores adotem medidas jurídicas preventivas e efetivos planos de legalidade.

 

Sérgio Carlos de Souza

 

Leia mais: https://www.carlosdesouza.com.br/

Publicidade

ES Brasil Digital

ES Brasil 174
Continua após publicidade

Fique por dentro

Preços de combustíveis caem consideravelmente no Estado. Entenda!

Há mais de 30 dias, os postos de combustíveis operam com valores mais baixos. A redução chega a ser de R$ 0,60 em alguns locais do Espírito Santo.

Comércio apresenta queda recorde em março

No Brasil, o setor registrou uma queda de 16,2% da atividade em relação a fevereiro deste ano. No ES, a queda foi mais de R$ 1,3 bilhão.

Regularização do CPF pode ser realizada on-line

A regularização do CPF foi adotada pela Receita Federal mediante muitas pessoas reclamarem que não conseguiam concluir o cadastro para obter o auxílio emergencial de R$ 600.

Inflação de serviços cai 0,14% no IPCA de março

A inflação de serviços recuou 0,14% em março, já sob influência do fechamento de estabelecimentos em função da política de isolamento social

Vida Capixaba

Torta capixaba: mais de 400 anos de história e tradição

Um dos principais pratos típicos capixabas, que é herança portuguesa e indígena, cai no gosto de todos que a provam A Semana Santa é uma...

Dicas para trabalhar bem no isolamento social

Muitas pessoas não cuidam da postura, dos pulsos, e de demais partes do corpo. Veja as dicas de um fisioterapeuta para trabalhar bem durante o home office.

Tempo instável marca o fim de semana na Grande Vitória

Segundo o Incaper, o clima continuará frio e o tempo instável em todo o Espírito Santo. Conrira a previsão para hoje e amanhã!

Festival da Torta Capixaba 2020 em novo formato

O festival vai acontecer de forma online, entre os dias 9 e 12 de abril. Vão participar 31 expositores e nove restaurantes da Ilha das Caieiras.
Continua após publicidade