27.1 C
Vitória
segunda-feira, 29 novembro, 2021

Confira os atletas capixabas que poderão participar da Olimpíada de Tóquio

Faltando um mês para o início da Olimpíada de Tóquio, atletas capixabas ou residentes no Estado estão em reta final de preparação para a disputa do maior evento esportivo do planeta.

Enquanto alguns já estão com a vaga garantida, outros ainda lutam para conquistar um lugar na delegação brasileira que irá representar o nosso País no Japão.

Muitos deles iniciaram suas trajetórias com o apoio do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Esportes e Lazer (Sesport), seja com a iniciação esportiva pelo projeto Campeões de Futuro e na disputa dos Jogos Escolares do Espírito Santo (JEES), ou, já em fase de alto rendimento, recebendo auxílio financeiro do programa Bolsa Atleta. Há até aqueles que, por seus feitos, foram eternizados com uma estrela na Calçada da Fama da Sesport.

Confira a lista dos prováveis nomes que representarão o Espírito Santo

OLIMPÍADA (de 23/07 a 08/08)

Alexandra Nascimento (handebol) – Ponta-direita da seleção brasileira, Alexandra Nascimento aguarda a convocação final, prevista para ser divulgada no dia 08 de julho, para ter a confirmação de que disputará sua quinta olimpíada consecutiva. Revelada nos Jogos Escolares, Alexandra atualmente joga na França e tem como principal conquista no currículo o título do Mundial de Handebol pelo Brasil em 2013.

Alison Cerutti (vôlei de praia) – Atual campeão olímpico, contemplado pelo programa Bolsa Atleta e estrela na Calçada da Fama da Sesport, Alison Cerutti busca mais uma medalha em Tóquio, desta vez ao lado do parceiro paraibano Álvaro Filho. Será a terceira olimpíada do “Mamute”, como também é chamado. Além do ouro no Rio, em 2016, ao lado de Bruno Schmidt, Alison Cerutti foi prata em Londres, em 2012, fazendo dupla com Emanuel. Durante a preparação para Tóquio, realizou parte dos treinos de 2021 na Sesport.

Anderson Varejão (basquete) – Foi convocado para o pré-olímpico de basquete da Croácia, competição que acontece entre os dias 29 de junho e 04 de julho e vale a vaga para Tóquio. Caso a seleção brasileira consiga a classificação, o capixaba deve disputar a segunda olimpíada de sua carreira (a primeira participação de Anderson foi em Londres, em 2012). Com títulos no currículo, como o de campeão da NBA e do pan-americano pelo Brasil, foi eleito para integrar a Calçada da Fama da Sesport em 2020, por meio de votação on-line. Atualmente, atua pelo Cleveland Cavaliers, dos Estados Unidos.

Bruno Schmidt (vôlei de praia) – Nascido em Brasília, mas radicado no Estado, Bruno Schmidt é contemplado pelo programa Bolsa Atleta e atual campeão olímpico de vôlei de praia. No Rio, faturou a medalha de ouro em parceria com o capixaba Alison Cerutti. Agora, ao lado do carioca Evandro, Bruno Schmidt, que foi o menor campeão olímpico da história da modalidade (1,85m), quer buscar o bicampeonato. Porém, para isso, ele terá que lutar contra o próprio corpo, já que em fevereiro passou 13 dias internados com infecção pulmonar por conta da Covid-19. Mas a volta às quadras, depois de um tempo de recuperação, foi animadora: a dupla conquistou o título da etapa do Circuito Nacional, no Rio de Janeiro, no último dia 20.

Déborah Medrado (ginástica rítmica) – Revelada nos Jogos Escolares e contemplada na última edição do programa Bolsa Atleta, Déborah Medrado fez parte do conjunto da seleção brasileira de ginástica rítmica que conquistou a vaga para o País na Olimpíada, após vencer o Pan-Americano da modalidade, disputado no Rio de Janeiro e finalizado no último dia 12 de junho. Agora, Déborah Medrado, que está treinando em Aracaju, Sergipe, onde fica a base da seleção, aguarda a convocação final para Tóquio, que deve acontecer ainda até o fim do mês de junho. Das seis ginastas do conjunto que participaram do Pan no Rio, uma terá que ser cortada e não irá para o Japão.

Geovanna Santos (ginástica rítmica) – Geovanna Santos descobriu a ginástica rítmica no núcleo do projeto Campeões de Futuro, em Pinheiros, norte do Estado, onde nasceu. Para poder se dedicar ainda mais ao esporte, se mudou para Vila Velha com a toda a família. Conquistou diversas medalhas em Jogos Escolares e foi contemplada na última edição do programa Bolsa Atleta. Na seleção brasileira, participou da conquista do Pan-Americano, no Rio de Janeiro, que valeu a vaga para o Brasil na Olimpíada. Treinando em Aracaju, Sergipe, com o restante da equipe, Geovanna Santos aguarda agora a convocação final para Tóquio, que deve acontecer até o fim de junho. Das seis ginastas do conjunto que participaram do Pan no Rio, cinco irão para o Japão.

Nacif Elias (judô) – Naturalizado libanês desde 2013, o capixaba aguarda a confirmação de sua vaga pela Federação Internacional de Judô para disputar sua segunda olimpíada defendendo o país asiático. Nacif, que já disputou os Jogos Escolares e passou a última temporada no Minas Tênis Clube, está se preparando para Tóquio em treinamento na Turquia. De lá, passará por Portugal e Espanha, até chegar ao Japão. No Rio, em 2016, ele foi desclassificado por um golpe considerado irregular pela arbitragem durante a luta das eliminatórias na categoria até 81 kg.

Paulo André Camilo (atletismo) – O velocista começou no projeto Campeões de Futuro, treinado pelo próprio pai, Carlos José Camilo de Oliveira, em Vila Velha, e despontou nos Jogos Escolares, onde bateu vários recordes. Especialista nos 100 metros rasos, Paulo André é considerado hoje o homem mais rápido do atletismo brasileiro e tem a meta em Tóquio de finalizar a prova com o tempo abaixo dos 10 segundos, feito ainda não alcançado por nenhum sul-americano. Por suas várias conquistas, como as do campeonato mundial e do pan-americano no revezamento 4×100 livre, em 2019, Paulo André foi homenageado no ano seguinte com uma estrela na Calçada da Fama da Sesport.

Vinícius Teixeira (handebol) – Nascido em Linhares, o pivô despontou para o handebol na disputa dos Jogos Escolares, pelo Colégio Cristo Rei. Por conta de sua atuação nas competições escolares, se mudou para o Estado de São Paulo quando tinha 17 anos para atuar pelo Metodista, de São Bernardo do Campo, onde disputou seu último ano como juvenil. Atualmente, joga pelo Taubaté, São Paulo. Vini, como também é chamado, agora aguarda a convocação final prevista para o dia 08 de julho para saber se disputará sua segunda olimpíada (a primeira foi no Rio, em 2016).

PARALIMPÍADA (de 24/08 a 05/09)

Daniel Mendes (atletismo) – Natural de Nova Venécia, mas residindo atualmente em São Paulo, Daniel Mendes é deficiente visual e já conquistou três medalhas em Paralimpíadas: ouro (4x100m T11-13) e bronze (200m), na Rio-2016, e prata (200m), em Londres, 2012. Além disso, é recordista mundial na classe T11. Por todos estes feitos, o velocista foi homenageado com uma estrela na Calçada da Fama da Sesport.

Luiza Fiorese (vôlei sentado) – Nascida em Venda Nova do Imigrante e atualmente jogando no ADAP, de Goiânia, Luiza Fiorese aguarda a convocação final para a seleção brasileira, que deve ser divulgada até o início do mês de julho, para confirmar sua ida a Tóquio, com período de treinamento em São Paulo, entre os dias 27 de junho e 04 de julho. Nos tempos em que morava em Venda Nova, Luiza Fiorese disputava os Jogos Escolares, mas praticando handebol, até que aos 15 anos de idade recebeu o diagnóstico de um osteossarcoma (tipo de câncer ósseo). Após abandonar as quadras, já que teve que substituir parte dos ossos da pena por uma endoprótese, ele acabou descobrindo o vôlei sentado, modalidade que pratica há pouco mais de dois anos apenas e já se tornou destaque.

Mariana Gesteira (natação) – Carioca, Mariana Gesteira se mudou para o Espírito Santo em setembro do ano passado para realizar seus treinamentos no Clube Álvares Cabral e na academia da Sesport, sob as orientações do personal Erich Chiabai e do professor Leonardo Miglinas*. Tóquio será sua segunda Paralimpíada. No Rio, em 2016, Mariana Gesteira foi finalista em quatro provas. Além disso, a nadadora também conquistou oito medalhas em parapanamericanos e é a atual campeã e recordista brasileira nas provas de 50m livre, 100m livre, 100m costas, 200m medley, pela Classe S10.

*Leonardo Miglinas também poderá ir às Paralimpíadas como treinador da seleção brasileira. A convocação sai no dia 30 de junho.

Patrícia Pereira dos Santos (natação) – Contemplada pelo programa Bolsa Atleta, Patrícia Santos conquistou a medalha de prata na Paralimpíada do Rio, em 2016, na prova dos 4x50m livre, integrando o grupo com duas lendas da natação paralímpica brasileira, Clodoaldo Silva e Daniel Dias. Moradora de Cariacica e nadadora do Clube Álvares Cabral, Patrícia Santos se transferiu recentemente para a equipe Naurú, de Indaiatuba, São Paulo, onde vem realizando seus treinamentos rumo a Tóquio.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Continua após publicidade

Fique por dentro

Vida Capixaba

Continua após publicidade