21.1 C
Vitória
sábado, 15 agosto, 2020

Governo prevê concessão de pelo menos 15 trechos de rodovias até 2021

Leia Também

PIX: ferramenta dos grandes bancos pra não perder pros novatos?

Conselheiro do Corecon avalia interesses que podem estar sendo preservados com o novo sistema, estruturado pelo BC, que passa a vigorar a partir de...

Planos de saúde vão cobrir exames para detecção do novo coronavírus

Os exames poderão ser feitos nos pacientes com síndrome gripal ou síndrome respiratória aguda grave (SRAG)

Virou lei: Síndicos terão que enviar denúncias de agressões às autoridades

Mais um passo importante no enfrentamento à violência contra os mais vulneráveis na Capital. A lei nº 9.653/2020, de autoria do vereador Wanderson Marinho (PSC), ...

Secretária de Fomento, Planejamento e Parcerias do Ministério da Infraestrutura detalha cronograma

O novo governo mal começou e o cronograma de leilões de concessões de rodovias para os próximos quatro anos já está definido. A expectativa do Ministério da Infraestrutura é a contratação de R$ 100 bilhões durante o mandato, para os próximos 30 anos, somente no setor rodoviário. O horizonte equivale a cerca de R$ 3,3 bilhões de recursos por ano. Somente em 2017, as atuais concessionárias investiram cerca de R$ 6,7 bilhões em rodovias federais, segundo a ABCR (Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias). Se essa média de investimento for mantida, as futuras concessões representarão acréscimo de cerca de 50% em novos contratos.

A recém-empossada secretária de Fomento, Planejamento e Parcerias do ministério, Natália Marcassa, sabe o tamanho do desafio que tem pela frente. Além de audiências públicas com a sociedade, o cronograma dos projetos envolve discussões nem sempre amistosas com o TCU (Tribunal de Contas da União), publicação de edital, leilão e assinatura de contrato. Em entrevista à Agência CNT de Notícias, ela assegurou que pelo menos 15 trechos devem passar por todo esse processo até 2021. Isso sem contar os 5.700 km de rodovias que devem ser estudadas entre o governo e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) para novas concessões. “Ainda não temos análise de viabilidade do que vai sair disso, mas é dessa carteira que vamos planejar 2022 para frente”, explica.

Para 2019, o governo prevê os leilões da BR 364/365/RO/MT e da BR 101/SC. A expectativa é que o primeiro edital saia ainda em março. Uma vez publicado, o leilão acontecerá em cem dias. No caso da rodovia catarinense, o processo ainda vai seguir para o TCU, e a expectativa é que o leilão ocorra no 3º trimestre deste ano. O maior volume de leilões, entretanto, deve ocorrer no ano que vem. Entre eles, está o da polêmica BR-163, no trecho entre Sinop (MT) e Miritituba (PA).

A expectativa do governo é que a concessão da BR-163, tradicionalmente conhecida por longas filas de caminhões em períodos de chuvas, aconteça após a pavimentação do trecho de 51 km na região de Moraes de Almeida (PA). Trata-se do ponto mais crítico dos atoleiros e é a parte que falta para que a rodovia esteja totalmente pavimentada entre Sinop e Miritituba. As obras estão orçadas em R$ 2,5 bilhões e são de responsabilidade do Exército, que promete concluí-las ainda este ano.

A concessão da rodovia deve durar um período de dez anos, diferentemente dos tradicionais 30 anos de um contrato “padrão”. “Não é um projeto típico porque estamos focados em construir a Ferrogrão. A ideia é dar continuidade à manutenção da rodovia para a gente escoar a safra sem problemas, sem atoleiros. Não é projeto de duplicação de capacidade ou de ampliação. A gente quer trazer essa ampliação via ferrovia”, ressalta a secretária.

Natália Marcassa, secretária de Fomento, Planejamento e Parcerias do Ministério da Infraestrutura

Segundo Natália Marcassa, o governo optou pela concessão porque a rodovia tem manutenção diferenciada das demais. “A carga ali é muito pesada. E só é possível fazer seis meses de manutenção por ano por causa do clima. Além disso, o DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) não tem essa flexibilidade. Às vezes, dá um problema no contrato, perde a manutenção daquele ano e ficamos com a safra com buraco. Então, a BR-163 é uma rodovia diferenciada. A gente entende que a concessão vai dar mais flexibilidade e vai garantir a manutenção do pavimento nesse período”, explica.

Questionada se o leilão da BR-163 será atraente para investidores, uma vez que a concessão será de curta duração, a secretária explica que a previsão de investimentos será exclusivamente para manutenção e ficará na casa de R$ 1,8 bilhão pelos dez anos, valor pequeno, segundo ela, perto de outras concessões com período de duração maior.

“Na BR-381, por exemplo, os investimentos previstos em contrato chegam a R$ 9 bilhões em 30 anos. Essa é a diferença. É para isso que você precisa de mais tempo para depreciar o investimento. O que impacta é a ampliação de capacidade e a pavimentação. Essa concessão não vai ter esse tipo de custo”, ressalta, dizendo que a expectativa do governo é que os pedágios também sejam mais baixos, uma vez que o futuro concessionário já herdará uma infraestrutura concluída.

*Da redação com informações Agência de Notícias da Confederação Nacional do Transporte

Continua após a publicidade

ES Brasil Digital

ESB 179 Digital
Continua após publicidade

Fique por dentro

Com reação à pandemia, alta dos desembolsos do BNDES é a maior desde 2009

Na comparação dos desembolsos trimestrais com iguais períodos de anos anteriores, sempre corrigindo pela inflação, a alta de 61,6% foi a maior desde o terceiro trimestre de 2009

Com pandemia, Brasil tem queda recorde da atividade no 2º trimestre

Os dados do BC já levam em conta os ajustes sazonais, o que permite a comparação de um trimestre com os três meses imediatamente anteriores

Idaf realiza ação educativa na Ceasa/ES

Com o objetivo de conscientizar produtores rurais e compradores sobre a importância do Serviço de Inspeção Oficial nos produtos de origem animal, o Instituto...

Bater ponto de trabalho a distância vira questão com pandemia

A Reforma Trabalhista de 2017 regulamenta o teletrabalho como uma prestação de serviços fora das dependências do empregador

Vida Capixaba

Novas passarelas de pedestres em Viana

A Eco101 iniciou as obras para a implantação de mais três passarelas de pedestres na BR-101/ES/BA, totalizando 19 estruturas ao longo da rodovia. Atualmente, existem...

Durante a pandemia, a pele também precisa de cuidados

Entre o medo do contágio e a vontade de que tudo volte à normalidade, a pandemia despertou nas pessoas uma maior preocupação e cuidados...

O Pequeno Príncipe traz poesia às telas em espetáculo ao vivo

Conhecido do público infantil e adulto, o conto ‘O Pequeno Príncipe’, do escritor francês Antoine de Saint-Exupéry, sai dos livros e chega aos palcos,...

Bike se populariza em tempos de coronavírus

Para fugir das lotações, dos atrasos e riscos de contaminação do transporte público, muitas pessoas se tornaram adeptas das bicicletas neste período Que táxi, que...
Continua após publicidade