28.1 C
Vitória
quarta-feira, 20 janeiro, 2021

Como perder o medo de investir?

Listamos nove receios mais comuns e porque você não deve temê-los

O hábito de poupar e investir dinheiro ainda está longe de ser uma realidade entre os brasileiros. De acordo com um levantamento realizado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) em parceria com a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), apenas 19% dos brasileiros conseguiram poupar alguma quantia no mês anterior à pesquisa.

O estudo também mostra que 34% têm o hábito de poupar com frequência, e destes 65% escolheram a poupança como a principal modalidade, enquanto 25% guardam o dinheiro em casa e 20% na conta corrente.

A escolha por essas opções é motivada em grande parte pela sensação de segurança e o desejo de evitar uma perda financeira, razão apontada por 17% dos poupadores, além da falta de hábito ao lidar com opções menos tradicionais, como disseram 19,6%. Na prática, falta conhecimento sobre outras modalidades e sobre como lidar com alguns receios comuns que permeiam o mundo dos investimentos.

Para que você supere seu medo de investir, Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil, e José Vignoli, educador financeiro listaram os principais medos – e suas soluções – sobre o assunto. Confira:

Medo 1: “Posso perder todo o meu dinheiro!”

Muitas pessoas ouvem falar sobre as oscilações do mercado financeiro, prejuízos milionários em ações de grandes empresas, e associam esse risco ao medo que elas têm de perder dinheiro. Mas a realidade pode ser bem diferente! Você pode pesquisar com calma onde vai aplicar seus recursos e avaliar os riscos de cada modalidade.

“O primeiro passo é entender o funcionamento das aplicações financeiras existentes. Vale lembrar que aquilo que promete o maior retorno (resultado e lucratividade) é o que pode colocar seu dinheiro em risco”, explica Vignoli.

“Diversificar a carteira é a melhor opção. Não aposte todas as suas fichas em apenas um investimento. Distribua seu patrimônio entre investimentos mais arriscados e de baixo risco, como renda fixa e Tesouro Direto”, orienta Marcela.

Medo 2: “Posso precisar do dinheiro no dia seguinte à realização do investimento.”

Imprevistos acontecem e, de fato, o dinheiro investido hoje pode ser necessário em breve. Para evitar ficar na mão, você precisará conhecer a liquidez de cada modalidade de investimento. A liquidez nada mais é do que a disponibilidade de resgatar os recursos quando você precisar.

Existem aplicações que não podem ser resgatadas antes de um prazo pré estabelecido. O importante, nesse caso, é o planejamento. Separe seus investimentos em reservas para curto, médio e longo prazo. As reservas de curto prazo (ou reservas de emergência) devem ter alta liquidez, o que permitirá que você resgate a quantia a qualquer momento que for necessário. “É recomendável que você tenha alocado entre 3 e 6 vezes o valor de seus gastos fixos mensais nesse tipo de reserva”, aconselha Marcela.

Medo 3: “Não sei investir sozinho. E se eu errar em algo?”

Ninguém é obrigado a saber tudo, mas existe um senso comum que diz que os investimentos são muito complicados e difíceis de entender. Isso precisa ser desmistificado, já que, assim como em outras áreas, o conhecimento é libertador e te fará perder o medo de investir.

Caso seja sua primeira experiência, segure a ansiedade: não entre no primeiro produto que lhe oferecerem. Procure entender o funcionamento dele antes de fechar a aplicação. “Prazos, liquidez, segurança, impostos e taxas de administração devem ser levados em conta na hora de investir”, alerta Vignoli.

Se você está começando, vale optar por quantias pequenas e investimentos com baixo risco, como o Tesouro Direto. Sempre pesquise e estude bastante antes e, se possível, peça a opinião de algum profissional. “Conforme você for se sentindo confiante, pode começar por aumentar aos poucos a quantia dos aportes e direcionar seus investimentos para opções mais sofisticadas”, sugere Marcela.

Medo 4: “Não sei por onde começar nem qual instituição financeira escolher.”

Não tenha medo de buscar ajuda e de fazer muitas perguntas, afinal, é seu dinheiro que está em jogo.

Para realizar alguns investimentos, você precisará abrir conta em uma corretora. Verifique se a instituição é cadastrada no Banco Central. “Procure pesquisar a opinião de outros consumidores sobre a instituição antes de começar a investir e sempre veja se ela possui registro junto à CVM. Além disso, compare as taxas de administração para as diferentes modalidades de investimentos”, afirma Marcela.

A CVM é a Comissão de Valores Mobiliários, uma autarquia ligada ao Ministério da Economia, cujo principal objetivo é disciplinar e fiscalizar as instituições do mercado financeiro nacional.

Veja também se a corretora oferece suporte para investimentos – a maioria oferece. Dessa maneira, será mais fácil dar o primeiro passo.

Medo 5: “Tenho medo de não ter dinheiro todos os meses para investir. É obrigatório investir todos os meses?”

Novamente, essa é uma questão de planejamento. Ninguém conhece o seu orçamento e a sua realidade financeira melhor do que você, então, é você quem determina quando e quanto pode investir. Alguns investimentos, como o Tesouro Direto, permitem que você programe transferências automáticas. Mas você não precisa ativar essa função na sua conta.

“Claro, o ideal é que você tenha um planejamento para investir todos os meses um valor pré-determinado, para que guardar dinheiro se torne um hábito”, aconselha Vignoli.

Medo 6: “Tenho medo de ser enganado pela instituição financeira e seus consultores ou gerentes.”

Quanto mais você souber sobre o assunto, menor a chance de isso acontecer. Por isso, leia muito. Todos os dias, informe-se sobre o que está acontecendo no mercado financeiro e sobre a situação política do país. No começo, você se sentirá perdido, mas com o tempo, as informações começam a fazer sentido.

Existem alguns canais no YouTube que explicam sobre investimentos de maneira bem fácil.

Medo 7: “Tenho medo de escolher o investimento errado para o meu perfil.”

O perfil do investidor diz muito sobre como ele vai aplicar os seus recursos e o medo de escolher errado é perfeitamente compreensível. Mas lembre-se de que você não precisa fazer essa escolha sozinho, principalmente, se estiver começando agora.

“As instituições têm um documento que permite, por meio de perguntas e respostas, determinar o seu perfil de investidor. Uma vez preenchido e com resultado em mãos, aparecerão no sistema apenas produtos que se enquadrem naquele perfil – e são esses que eles lhe oferecerão”, explica Vignoli.

Medo 8: “Não sei declarar o investimento no Imposto de Renda”

A declaração do Imposto de Renda também é algo que levanta muitas dúvidas, mas não é um bicho de sete cabeças.

Na época da declaração do IR, os bancos e corretoras enviam ou disponibilizam informes com os valores que você precisará preencher em sua declaração. Mas se as dúvidas persistirem, mesmo com a ajuda dos bancos ou das instituições financeiras, procure um contador de sua confiança.

Medo 9: “Tenho medo do meu investimento não render o que eu espero. O que fazer nessa situação?”

Os investimentos são um exercício de planejamento e paciência. Aqueles que operam a partir de índices e taxas que mantêm um certo padrão podem ser previstos, aí o retorno é só uma questão de tempo.

Investimentos pré-fixados vão render a taxa do momento de contratação. Muitas corretoras oferecem uma calculadora de rendimentos para você visualizar o quanto seu investimento irá render antes de fazê-lo. O site do Tesouro Direto também disponibiliza essa calculadora e há ainda sites e aplicativos de finanças que te ajudam nisso.

“Vale lembrar que caso o investimento não possua liquidez diária, você poderá receber menos do que o previsto inicialmente, caso resgate seu dinheiro antes do prazo de vencimento”, explica Marcela.

*Da redação com informações do portal Meu Bolso Feliz


LEIA TAMBÉM

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Maia diz que China vai acelerar envio de matéria-prima da Coronavac

Após reunião com embaixador chinês, Maia afirma que atraso na liberação de insumos é técnico e não político

Terminal de Itaparica volta a funcionar segunda-feira

O funcionamento do terminal será retomado na próxima segunda-feira (25)

Joe Biden toma posse como presidente dos EUA

A cerimônia foi realizada com forte esqueça de segurança

Rochas ornamentais: Setor manteve estabilidade em 2020

setor de rochas ornamentais brasileiro mostrou uma capacidade de recuperação impressionante e fechou 2020 com números similares aos obtidos em 2019, numa condição de estabilidade

Série histórica mostra ocupação hoteleira durante a pandemia

Já estão disponíveis no Observatório do Turismo os dados relativos à taxa de ocupação hoteleira relativa ao ano de 2020, nos municípios de Vitória, Vila Velha e Serra

Setor atacadista e distribuidor capixaba capacita mais de mil colaboradores

Essencial para a distribuição de produtos no Estado, setor não parou em 2020; informações estão presentes em relatório divulgado recentemente pelo Sincades

ES Brasil Digital

ESBrasil-184 - Retrospectiva
Continua após publicidade

Fique por dentro

Sicoob inicia 2021 com recordes de movimentações financeiras

Instituição tem atuado para facilitar acesso a produtos e serviços financeiros aos seus mais de 5 milhões de cooperados

Concessão da Codesa: o que muda!

A Federação das Indústrias do Espírito Santo promoveu uma audiência para esclarecer o setor produtivo sobre o processo de desestatização da Codesa, a Companhia Docas do ES

Produção agropecuária de 2020 alcança R$ 871 bilhões

as variáveis determinantes para os resultados estão relacionadas aos preços dos produtos no mercado interno

Balança comercial do agronegócio soma US$ 100,81 bilhões em 2020

esses setores foram responsáveis por 80% das exportações do agronegócio em 2020, contra os 78,9% de participação registrados em 2019

Vida Capixaba

Prêmio de fotografia ‘As belezas que Anchieta viu’

O Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Iema) divulgou, nesta terça-feira (19), o resultado do prêmio de fotografia “As belezas que Anchieta viu”

Novas espécies de insetos são descobertas no Espírito Santo

Oito novas espécies de insetos foram descobertas na região norte do Espírito Santo

Festival verão sem aglomeração

O Festival de Verão sem Aglomeração acontece de 18 a 23 de janeiro
Continua após publicidade