21 C
Vitória
terça-feira, 16 agosto, 2022

Collor pede desculpas por confisco da poupança após 30 anos

Fernando Collor
Collor pediu desculpas após 30 anos. - Foto: Lia de Paula

Segundo o ex-presidente da República, o objetivo central de sua equipe era conter a hiperinflação de 80% ao mês e que não via alternativa viável na época

O ex-presidente da República Fernando Collor de Mello pediu perdão nesta segunda-feira, 18, pelo confisco de saldos de cadernetas de poupança e contas correntes em março de 1990. Pelo Twitter, o agora senador disse que acreditou que as medidas radicais poderiam conter a inflação.

O pedido de desculpas acontece mais de 30 anos após o anúncio do Plano Collor 1, em 16 de março de 1990. “Acreditei que aquelas medidas radicais eram o caminho certo. Infelizmente errei. Gostaria de pedir perdão a todas aquelas pessoas que foram prejudicadas pelo bloqueio dos ativos”, escreveu.

Collor disse que o objetivo central de sua equipe era conter a hiperinflação de 80% ao mês e que não via alternativa viável na época. A situação econômica do País, segundo ele, prejudicava os mais pobres e as “pessoas estavam morrendo de fome”.

“Era uma decisão dificílima. Mas resolvi assumir o risco. Sabia que arriscava ali perder a minha popularidade e até mesmo a Presidência”, diz a publicação. “Quisemos muito acertar. Nosso objetivo sempre foi o bem do Brasil e dos brasileiros.”

Nas últimas semanas, o ex-presidente tem reforçado sua presença nas redes sociais e abriu espaço para internautas enviarem perguntas. “Respondo toda e qualquer questão, mas o volume tá muito grande e vou aos poucos.”

O que isso acarretou no Brasil?

O Brasil enfrentou um momento complicado com o lançamento do Plano Collor. Segundo o historiador Vinicius Vivaldi, esse foi um período nefasto e mal planejado na história econômica e política do país. “Muitos cidadãos ficaram sem acesso às suas contas e sem amparo social do governo. Simplesmente foram largados a esmo. Muitas pequenas e médias empresas fecharam, o índice de desemprego foi alto e a taxa de suicídios foi a maior da história do Brasil”, disse ele.

Collor chegou com algumas características, que geraram desconforto, de acordo com o cientista político e professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie de São Paulo, Rodrigo Prando. “Ele era muito jovem, rico e acostumado a mandar. Alinhado a esse perfil, se sentiu muito poderoso. Com isso, acarretou um problema, certo desprezo por parte do Congresso Nacional, pois não dialogava com quem mais precisava”, afirmou.

Prando afirmou que o plano foi bastante ousado, mas não previamente dialogado com os atores políticos. “Gerou um “estresse” na economia, um PIB cada vez menor, entre outras situações. Ele deve ter percebido que a intenção da equipe era as melhores, mas agora, mais velho e mais experiente, com certeza, mostrou o ônus e arcou com as consequências. Agora ele dialoga mais e com o advento das mídias sociais, é ainda mais possível”, destacou.

O plano criado por sua equipe é considerado despreparado pelo economista Vaner Simões. “O que o Collor fez foi uma “loucura”, típica de um país que não é ainda democrático. Foi um grande equívoco. Comportamento antieconômico e antiacadêmico. Teve uma questão boa, que foi a abertura do mercado, mas isso já era esperado pelo caminhar da economia brasileira. Mas o plano econômico que ele criou foi um furto coletivo que não deu certo. Em momento algum conversava com o plano de governo apresentado por ele”, frisou.

Vaner complementa afirmando que a medida só foi acertada anos depois. “O que, de fato, corrigiu o que o ex-presidente fez foi o Plano Real, lançado em 1994, criado por Fernando Henrique Cardoso ainda no governo de Itamar Franco. FHC percebeu que a memória inflacionária era de curto prazo. Era mensal. Os preços tinham efeitos diários. Com isso, desindexaram a economia e criaram periodicidade inflacionária. Só reajustava anualmente. Foi uma medida excelente”, finalizou.

*Da redação, com informações de Marlla Sabino (AE)

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Entre para nosso grupo do Telegram

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Continua após publicidade

Fique por dentro

Vida Capixaba

Continua após publicidade