Alto investimento em programa de cirurgia robótica

cirurgia robo
O programa de cirurgia robótica trabalha para assegurar a qualidade dos procedimentos e a segurança do paciente. - Foto: Reprodução / Hospital Albert Einstein

A Rede Meridional investiu cerca de R$ 25 milhões para receber o robô. Cirurgias começam a ser realizadas a partir de abril

Uma das grandes novidades na área da saúde é o Programa de Cirurgia Robótica, que chegou ao Brasil para inovar o setor de tecnologia. Com apenas 74 sistemas instalados no país, ele chega ao Espírito Santo, por meio da Rede Meridional, que investiu cerca de R$ 25 milhões na aquisição do robô da Vinci® Xi, que já tem estrutura pronta no Meridional Cariacica e começa a operar no mês de abril.

Com maior utilização nas áreas da urologia, ginecologia e cirurgia geral, a cirurgia robótica pode beneficiar pacientes na diminuição da dor e do desconforto no pós-operatório, na diminuição de perdas sanguíneas durante o procedimento, no menor tempo de permanência no hospital e, ainda, oferecer a oportunidade de retorno mais rápido às suas atividades diárias. Em cirurgias de próstata, por exemplo, há uma visão mais detalhada de estruturas fundamentais para otimizar a preservação da potência sexual e continência urinária.

da-Vinci
A Rede Meridional investiu R$ 25 milhões para adquirir o robô da Vinci® Xi . – Foto: Divulgação

O robô será utilizada nas cirurgias realizadas no Meridional Cariacica e começa a operar no mês de abril. Os médicos que o manusearão passam por um treinamento em um centro localizado no Rio de Janeiro. O sistema cirúrgico é considerado o mais moderno do segmento robótico do mundo.

Com alta definição e tecnologia 3D, as imagens atingem mais de 10 vezes o tamanho na visualização, oferecendo sensação de profundidade, alto contraste das cores, inibindo os tremores humanos e trazendo uma grande comodidade ergonômica ao cirurgião. As cirurgias são realizadas pelo cirurgião que manuseia o da Vinci® por meio de controles tipo “joystick”. Este sistema reproduz os movimentos para os instrumentos robóticos que se tornam mais precisos e atingem posições difíceis, com amplitude de movimento maior que o punho humano. As incisões são menores que a cirurgia tradicional.

O CEO da Rede Meridional, Antônio Benjamim Neto, ressalta que a cirurgia robótica é uma opção de procedimento minimamente invasivo e que atende a diversas patologias. “A aquisição acompanha um programa de treinamento que irá capacitar às equipes envolvidas e dar maior segurança aos procedimentos realizados. Isso representa mais do que nossa dedicação com a excelência em assistência à saúde. Significa compromisso com nossos pacientes, e respeito à vida, aos altos padrões científicos e tecnológicos e à sociedade”, afirma Benjamim.

O programa de cirurgia robótica trabalha para assegurar a qualidade dos procedimentos e a segurança do paciente e não apenas no crescimento desses procedimentos. Os profissionais são acompanhados e avaliados por proctors (cirurgiões experientes e que supervisionam o treinamento), até que adquiram a proficiência desejada.