21.4 C
Vitória
segunda-feira, 25 janeiro, 2021

Câncer Infantojuvenil, ainda faltam avanços

Enfrentamento a doença foi debatida em reunião online com autoridades do Estado e de Instituições ligadas ao combate a doença

Por Leulittanna Eller Inoch 

As dificuldades enfrentadas por pacientes oncológicos entre 5 e 19 anos na rede pública de saúde, como a falta de leitos e de profissionais especializados, foram discutidas em reunião da Frente Parlamentar de Enfrentamento ao Câncer Infantojuventil, nesta segunda-feira (23), data em que se celebra o dia nacional de combate à doença.

O colegiado recebeu, em reunião transmitida pela TV Assembleia e pelo Youtube, o secretário de Estado da Saúde, Nésio Fernandes de Medeiros Junior; o superintendente do Instituto do Câncer Infantil do Rio Grande do Sul, Algemir Brunetto; o presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica (Sobope), Claudio Galvão de Castro; o diretor-presidente da Acacci, Francisco Gava; o superintendente do Instituto Ronald Mc Donald, Francisco Neves; o oncopediatra Carlos Magno Bortolini, do Hospital Estadual Infantil Nossa Senhora da Glória, além de Glaucia Zouain e Thais Monteiro, também do Infantil.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer, a estimativa é que o país registre este ano 8.460 novos casos da doença. Desse montante, 130 estão previstos para ocorrer no Espírito Santo, que conta com oito Unidades de Assistência de Alta Complexidade (Unacon) em todas as regiões do estado.

O Inca também afirma que o câncer infantojuvenil é a maior causa de mortalidade no país, na faixa etária de 5 a 19 anos. Segundo o instituto, os sintomas são muito parecidos com patologias normais em crianças e adolescentes e, por isso, são importantes as consultas constantes com pediatras, que são os profissionais indicados para detectar e tratar esses casos.

Formação profissional

O superintendente e membro fundador do Instituto do Câncer Infantil (ICI) do Rio Grande do Sul, Algemir Brunetto, afirmou que, para avançar no enfrentamento à doença, é necessário criar mais políticas públicas que contemplem a construção de centros de referência e o fomento do tema no programa de residência médica.

“Hoje, os residentes em medicina têm preparo para o paciente oncológico como um todo, mas não recebem um preparo específico para crianças e adolescentes com câncer”, explicou Brunetto.

Para o presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica (Sobope), Claudio Galvão de Castro Junior, falta estrutura na rede pública de saúde para prevenção e tratamento do câncer infantojuvenil. Segundo ele, embora o número de casos seja menor do que os outros tipos de câncer, pacientes com esse tipo específico requerem tempo maior de internação:

“As crianças e adolescentes não estão sendo bem atendidos nos centros de saúde porque precisamos de políticas públicas que propiciem mais investimentos em estrutura. Para se ter uma ideia, o financiamento dos serviços de oncologia e hematologia do Serviço Único de Saúde (SUS) é pago pela atualização para procedimentos de alta complexidade, cujos valores estão desatualizados e defasados desde 2010”, afirmou o presidente da Sobope.

Galvão também criticou a falta de leitos para pacientes oncológicos em todo o país. “A falta desses leitos causa atraso ou a não realização de procedimentos, ocasionando mortes na lista de espera ou a realização de transplantes em pacientes em piores condições, diminuindo a efetividade”, relatou.

Casas de apoio

Uma das reivindicações dos convidados foi o amparo às casas de apoio. De acordo com o diretor-presidente da Associação Capixaba de Combate ao Câncer Infantil (Acacci), Francisco Gava, faltam investimentos e políticas públicas para essas instituições, que complementam o tratamento dos pacientes oncológicos infantis, ofertando todo tipo de suporte, como alimentação e deslocamento.

Segundo Gava, não há sucesso no tratamento sem uma casa de apoio. Conforme pontuou, essas instituições não recebem remuneração pelos serviços prestados aos doentes. Gava disse que o Estado não presta esse tipo de apoio às famílias e a atuação das casas faz com que as famílias dos pacientes não abandonem o tratamento:

“Se tirarmos as casas de apoio desse processo, teremos mais óbitos desses pacientes. Não adianta eu ter um hospital muito bom, com equipe excelente, se eu não dou condições de as famílias continuarem esses tratamentos. Algumas famílias não têm condição de pagar transporte para levar seus doentes para o hospital ou para se alimentar nesses casos. A casa de apoio oferta essa ajuda. Em 2019, a Acacci serviu em torno de 26 mil refeições a famílias hospedadas e acolhemos famílias que não ficam lá”, disse.

Para o superintendente do Instituto Ronald Mc Donald, Francisco Neves, há 22 anos o quadro de oncologia pediátrica já era muito sério e as casas de apoio conseguem potencializar os esforços das famílias que precisam tratar suas crianças.

“Hoje existem as casas de apoio, que são consideradas uma extensão do tratamento. As chances e cura aumentam muito quando você tem uma referência dessa”, disse.

Hospital Infantil

Segundo o oncopediatra do Hospital Estadual Infantil Nossa Senhora da Glória Carlos Magno Bortolini, a instituição investiu em infraestrutura para atender a pacientes oncológicos. Ele também criticou a falta de políticas para melhorar o atendimento neste setor, principalmente no que se refere à qualificada. “Precisamos de mais políticas públicas que aumentem a oferta de serviços a essas pessoas, com mais profissionais à disposição dos usuários”, disse.

“Os profissionais estão ansiosos por verem algo acontecer na oncologia pediátrica no estado. Montamos um plano de ação que abarca ações simples e as mais complexas em torno da oncologia pediátrica, com vistas à prevenção, ao diagnóstico e à sobrevida melhor, superior à de 59%, que é a realidade que temos hoje. Nosso objetivo é trabalhar com a experiência do paciente, capacitando nossos servidores para isso”, afirmou Thaís Monteiro, servidora do Hospital Infantil.

De acordo com Edna Vacari, representante da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), a pasta está dialogando com os envolvidos acerca de melhorias para o atendimento desses pacientes. “A capacitação dos funcionários é nossa prioridade. Precisamos juntar forças com a atenção primária à saúde”, disse.

Para o presidente da Frente Parlamentar de Enfrentamento ao Câncer Infantojuvenil, deputado Doutor Hércules (MDB), é necessário investir em estrutura dos centros de atendimento e qualificar os profissionais da saúde para o atendimento aos pacientes.

“Vamos conversar com a Sesa sobre o fortalecimento das Unacons e enviar ofício às faculdades de medicina sobre a necessidade de capacitar os residentes nesse sentido. Além disso, precisamos fazer mais campanhas para melhorar a estrutura de atendimento a essas crianças e adolescentes”, afirmou o parlamentar.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Estudante brasileira descobre asteroide

Imagens do corpo celeste foram captadas no dia 7 de janeiro

Anvisa aprova lote de Coronavac do Butantan para uso emergencial

Anvisa aprova lote de Coronavac do Butantan para uso emergencial Por unanimidade, o órgão liberou o uso emergencial; solicitação se estende a 46 mi de doses já acordadas com o ministério

Professores dão dicas para o segundo dia de provas do Enem

Provas de matemática e ciências da natureza serão aplicadas domingo

Padrão de beleza imposto pela sociedade pode gerar distúrbio

Em tempos de redes sociais e culto à aparência em alta, o chamado Transtorno Dismórfico Corporal encontra terreno fértil para crescer

Enem: Confira o reforço nas linhas de ônibus

Estudantes que farão a prova do Enem nesse fim de semana terão reforço nas linhas de ônibus

Programação especial para a criançada curtir as férias com segurança

Pista de patinação no gelo e arena Sonic são duas das novidades que fazem a alegria da garotada neste verão

ES Brasil Digital

ESBrasil-184 - Retrospectiva
Continua após publicidade

Fique por dentro

Série histórica mostra ocupação hoteleira durante a pandemia

Já estão disponíveis no Observatório do Turismo os dados relativos à taxa de ocupação hoteleira relativa ao ano de 2020, nos municípios de Vitória, Vila Velha e Serra

Sicoob inicia 2021 com recordes de movimentações financeiras

Instituição tem atuado para facilitar acesso a produtos e serviços financeiros aos seus mais de 5 milhões de cooperados

Concessão da Codesa: o que muda!

A Federação das Indústrias do Espírito Santo promoveu uma audiência para esclarecer o setor produtivo sobre o processo de desestatização da Codesa, a Companhia Docas do ES

Produção agropecuária de 2020 alcança R$ 871 bilhões

as variáveis determinantes para os resultados estão relacionadas aos preços dos produtos no mercado interno

Vida Capixaba

Mucane e Circuito Cultural de Vitória retomam aulas na próxima segunda-feira

Oficinas presenciais de percussão, cavaquinho, dança afro brasileira na modalidade “Tribal” e capoeira

TOTVS Espírito Santo foi eleita a melhor unidade do Brasil em 2020

A TOTVS é conhecida como a maior empresa de tecnologia do Brasil, e sua unidade do ES foi eleita a melhor unidade do Brasil em 2020

Queijos: segunda maior agroindústria capixaba

Queijos com adição de especiarias e ervas finas, com recheio de geleias de frutas, doce de leite e embutidos, ou até defumados, são algumas versões de queijos capixabas que demonstram a potencialidade do setor
Continua após publicidade