Brasil tem 13,1 milhões de desempregados, 12,6% da população

carteira de trabalho
Foto: Agência Brasil

Número de empregados com carteira assinada ficou estável no trimestre até fevereiro, mas o resultado é o pior da série histórica

A taxa de desocupação voltou a crescer no trimestre encerrado em fevereiro. Com uma alta de 0,6 ponto percentual, o total de desempregados chegou a 12,6%, em relação ao trimestre encerrado em novembro de 2017.

O país passa a ter 13,1 milhões de desempregados, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-C). Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (29), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em números absolutos, o resultado representa mais 550 mil pessoas em busca de emprego, entre um trimestre e outro.

À Agência Brasil, o coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo, avaliou que o movimento de aumento do desemprego já era esperado. “Nesta época do ano, o crescimento da taxa é um movimento esperado. Sempre no primeiro trimestre do ano a taxa tende a subir, pois existe a dispensa dos trabalhadores temporários contratados para as festas de final de ano”, justificou.

População ocupada cai

A pesquisa apontou que, entre o trimestre encerrado em novembro e o que terminou em fevereiro, o país perdeu 858 mil postos de trabalho. Houve redução de 407 mil empregos no setor privado sem carteira e de 358 mil no setor público.

O número de empregados com carteira de trabalho assinada ficou estável neste trimestre encerrado em fevereiro. São 33,1 milhões de trabalhadores. Porém, “foi o pior resultado em números absolutos da série histórica iniciada em 2012”, segundo Azeredo. As categorias empregador e trabalhadores por conta própria também ficaram estáveis.

A queda no número de postos de trabalho foi verificada principalmente no grupamento serviços. São atividades de administração pública, defesa, seguridade, educação, saúde e serviços sociais, que chegou a perder 435 mil postos de trabalho; na construção, foram menos 277 mil empregos; e na indústria, menos 244 mil.

Comparação com o ano anterior

A taxa de desemprego de 12,6% neste trimestre significa “uma melhora do mercado de trabalho, quando a comparação se dá com o mesmo trimestre do ano anterior, quando a taxa chegou a 13,2% e alcançava 13,5 milhões de pessoas desocupadas, o pior resultado para esse trimestre na série histórica”.

Leia também

 

Conteúdo Publicitário