22 C
Vitória
sexta-feira, 10 julho, 2020

Boa gestão e planejamento transformam potencial em realidade

Leia Também

ES confirma mais de 60 mil infectados pela Covid-19

De acordo com o “Painel Covid”, administrado pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), nesta quinta-feira (09), o número de curados está em 39.912.

Prefeito de Viana testa positivo para a Covid-19

Gilson Daniel, está com a covid-19. Por precaução, a primeira-dama do município, Sídina Delpupo, também realizou o exame e também testou positivo para a doença.

Vacinas contra gripe liberadas para público em geral

Desde o dia 30 de junho, não há mais grupo prioritário. Com isso, todas as pessoas podem receber a dose.

ArcelorMittal Tubarão religará o segundo alto-forno neste mês

O equipamento, com capacidade para produção de 1,2 milhão de toneladas de ferro gusa/ano, estava paralisado desde o ano passado, quando passou por uma ampla reforma de manutenção.

Espírito Santo atravessa a crise com gestão firme e atrai investidores e empresários estrangeiros

* Por Fernanda Zandonadi – Conteúdo da Revista Indústria Capixaba (Findes) – Produzida pela Línea Publicações (Next Editorial)

Mesmo diante da crise econômica e política que se instalou no país, o Espírito Santo renova, a cada dia, seu potencial de atrair bons investimentos. Além dos projetos que já estão instalados em terras capixabas e começam a dar seus primeiros frutos, como a fábrica da Volare, em São Mateus, no norte, que em abril último colocou no mercado nacional o primeiro veículo fabricado no Estado, há outras possibilidades que se abrem e que prometem bons negócios locais, em função de um quadro de planejamento e boa gestão.

As contas públicas estão em dia, mesmo com o Espírito Santo sofrendo cronicamente com a escassez de aportes por parte do Governo Federal e acumulando perdas com o fim do Fundo de Desenvolvimento das Atividades Portuárias (Fundap), com a queda no repasse dos royalties do petróleo,
do Fundo de Participação dos Estados e Municípios e da arrecadação em geral (em razão do encolhimento da atividade econômica, do fechamento de empresas, do desemprego e ainda da paralisação das operações da Samarco). Essa capacidade de enfrentamento da crise reforça a confiança de investidores e cria possibilidades reais de atração de novos empreendimentos, principalmente estrangeiros.

Essa resiliência regional trouxe, nos últimos meses, diversas missões internacionais ao Estado, a exemplo da visita de uma comitiva de Angola, recebida no início de maio. O país é o principal produtor de petróleo da África e a terceira economia do continente africano. O governador da província do Zaire, José André Joanes, salientou a importância de maior intercâmbio entre capixabas e angolanos. “Conhecemos algumas possibilidades, entre elas a troca de informações e conhecimentos sobre as tecnologias agropecuárias e as empresas instaladas no Estado. Estamos visitando organizações governamentais e empresariais para avançar nesta relação”, disse Joanes.

Para o assessor de Relações Internacionais do Espírito Santo, José Carlos Fonseca Junior, a visita foi uma ótima oportunidade de negócios. “Esta é a nona missão que o Estado recebe nos últimos oito meses, como parte da estratégia de atrair investimentos. E Angola é um mercado importante, já que importa serviços e produtos do Brasil, sobretudo na área de petróleo e gás”, afirmou.

Também em maio, o Governo capixaba, a Prefeitura de Linhares e a companhia MLog assinaram um protocolo de intenções para a instalação de um complexo na cidade, chamado de Distrito Empresarial Norte Capixaba. O documento estabelece as atribuições de cada parceiro no projeto de criação de um polo empresarial e logístico de 12 milhões de metros quadrados no município. O distrito terá nove unidades: polo de distribuição; zona de processamento de exportação; polo moveleiro; zona de armazenamento e silos; condomínio de serviços; concretaria; zona de processamento (aço e granito); condomínio industrial; e polo gás/químico.

Anteriormente, em abril, foi a vez de Singapura conhecer o Espírito Santo. A embaixadora daquele país no Brasil, Siew Fei Chin, veio acompanhada por representantes da agência econômica IE Singapure. “Acreditamos que temos muito o que trabalhar, de forma conjunta, em uma agenda de longo prazo com o Espírito Santo”, disse, destacando oportunidades de parcerias nas áreas de óleo e gás, mobilidade urbana, educação e tratamento de água.

Para o governador Paulo Hartung, o encontro foi estratégico. “A agenda permite ao Estado dialogar com a região do sudoeste da Ásia. É uma área de grande potencial logístico e tecnológico. Acredito que podemos começar a trabalhar interesses comuns com desdobramentos em médio e longo prazo. Além disso, temos interesse em possibilidades no setor portuário, agricultura, gás e petróleo”, enfatizou.

Também em abril o embaixador da Índia no Brasil, Sunil Lal, e os cônsules Nuno Bello, de Portugal, e Tsuyoshi Yamamoto, do Japão, aqui desembarcaram para conhecer as potencialidades da indústria capixaba, a diversidade dos setores produtivos e quais regiões podem receber novos investimentos.


Vantagens competitivas

“O Estado é muito visado. Em apenas 60 dias, recebemos visitantes e observadores de vários países. Com esse interesse vindo de fora, percebemos que o Espírito Santo é muito bem-visto pelas comunidades internacionais. Não resta dúvida de que a gestão estadual, quando bem-feita, ganha visibilidade. A segurança jurídica é muito benéfica, e o Governo tem realizado isso com sabedoria e propriedade. São poucos os estados que estão em situação positiva como o Espírito Santo. Todas essas visitas às nossas cidades demonstram nossa credibilidade”, comenta o presidente da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), Marcos Guerra.

“O Espírito Santo tem uma série de vantagens competitivas. O equilíbrio fiscal, conquistado graças ao controle das contas públicas promovido na atual gestão, é um diferencial que garante segurança para o empreendedor. Além disso, dispomos de estrutura logística e de localização privilegiada, que facilitam a instalação e a ampliação de empreendimentos. As regras claras e os programas de incentivo também ganham destaque no momento de atrair novos negócios. E, não menos importante, vale ressaltar a nossa vocação para o comércio exterior e a proximidade dos diversos atores da nossa economia, que interagem constantemente para dinamizar o mercado”, enfatizou o titular da Secretaria de Estado de Desenvolvimento (Sedes), José Eduardo Faria de Azevedo.

Esse conjunto de fatores positivos tem servido de referência. Enquanto o Governo Federal, durante a gestão Dilma Rousseff, recém-afastada da Presidência, sustenta que a crise econômica experimentada hoje pelo país foi causada por fatores externos, em especial pela queda no preço das commodities minerais, o presidente do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper), Marcos Lisboa, oferece à análise um outro lado da questão, tomando justamente o Estado capixaba como exemplo.

“Se fosse apenas o ambiente externo, e há estatísticas, o Brasil cresceria de 1,5% a 2% em 2014 e 2015. De 2% para -4%, a responsabilidade é nossa. Fazer ajustes em tempos de crise é difícil. Vamos pegar o exemplo do Espírito Santo. O Estado sofreu com a queda no preço do petróleo, das commodities, do repasse de royalties, e sofre com a crise no país. Da mesma maneira que o Rio de Janeiro, que ainda tem as Olimpíadas e bastante apoio. Mas o Espírito Santo não sofre os mesmos problemas do Rio de Janeiro. Tem um governador, Paulo Hartung, que assumiu os problemas de frente, foi claro e transparente, uma secretária da Fazenda (Ana Paula Vescovi) que ajudou a liderar o processo de ajuste e está com as contas em dia. Não foi fácil, mas enfrentou os problemas. Um trabalho que a levou ao comando do Tesouro Nacional. E acho que o que falta hoje é isso; e não essa política oportunista de adiar o problema, transferir a responsabilidade para a nova geração, fingir que não há restrição e deixar a conta para o futuro. A má notícia é que o futuro chegou”, ressaltou Lisboa, em uma entrevista ao programa “Roda Viva”, na TV Educativa.

O Estado hoje é um dos poucos da federação com as contas públicas ajustadas, estruturado, com indicadores favoráveis, graças às políticas públicas e privadas. Essa é a diferença do Espírito Santo em relação ao Brasil, segundo o secretário de Desenvolvimento.

Cinto apertado
O Executivo capixaba fez seu dever de casa. Em janeiro deste ano, em busca da redução dos gastos da administração pública e a fim de retomar o equilíbrio financeiro-orçamentário, o governador Paulo Hartung assinou quatro decretos. Um deles revogou o Decreto nº 3.565-R, que regulamenta o apoio estadual à realização de eventos. Isso significa que, desde janeiro, estão suspensas, por exemplo, novas despesas com viagens, patrocínios, promoção de eventos, participação de servidores em congressos e seminários, entre outros itens.

Um segundo decreto estabeleceu metas para a contenção de despesas em 2015. Uma delas é a baixa, ao longo do ano, de 20% do total consumido com o pagamento de servidores de cargos em comissão e de designação temporária, de dispêndios com passagens aéreas, diárias e combustíveis, entre outras medidas. Nesse mesmo documento, também foi criado um Comitê de Controle e Redução dos Gastos Públicos, que vai adotar e analisar as ações adotadas.

Além disso, outro decreto instituiu a Política de Gestão Pública, que definiu a estratégia geral a nortear a gestão das instituições governamentais. Essa política tem por objetivos promover a prestação de serviços de forma eficiente, gerando os resultados esperados pelos cidadãos, e desenvolver as competências e os meios disponíveis para viabilizar a melhoria constante na produção desses desempenhos.

O quarto decreto determinou a criação de uma Comissão para Análise da Proposta de Lei Orçamentária Anual de 2015. O governador Paulo Hartung explicou a necessidade de ajustar as contas públicas. “Para dar conta dos desafios, será necessário ajustar as contas públicas, contendo a expansão das despesas correntes e recuperando a boa gestão sobre a capacidade de arrecadação do Estado. Seremos fiéis ao compromisso de recuperar a capacidade de investir com recursos próprios, de fazer um uso eficiente das operações de crédito já contratadas, e de liberar as rendas do petróleo para uma aplicação adequada, principalmente a educação, capaz de construir a prosperidade para as futuras gerações”, afirmou o governador.

O secretário José Eduardo Faria de Azevedo destacou a relevância dessas medidas. “O Governo tem feito um grande esforço, desde o início da atual gestão, para manter as contas públicas equilibradas. O ajuste fiscal contou com dois instrumentos principais: a revisão do Orçamento de 2015 e o decreto de contenção de gastos. Essas medidas vêm garantindo as contas em dia sem impacto no serviço prestado à população e ainda têm influência sobre os investidores, que sentem confiança em empreender aqui. Além disso, o Governo tem se mantido firme na decisão de não aumentar impostos, outra ação importante para a manutenção/atração de empresas e para a manutenção/geração de empregos. Toda essa política tem garantido que, mesmo em um cenário nacional de crise, o Espírito Santo continue atraindo indústrias e outros empreendimentos. Vários estão para chegar, outros vão entrar em operação, enfim, há uma lista de novidades na indústria nos próximos meses”, disse.

Investir para avançar
“Entendemos que o Estado passa pelas mesmas dificuldades que o Brasil está enfrentando. Temos muitas indústrias fechando as portas, reduzindo a produção e o quadro de funcionários. Aqui, além de tudo o que já foi dito, o que temos feito é uma aproximação grande com empreendedores e pessoas que buscam qualificação, executando um amplo plano de investimento nas 15 regionais do Sistema Findes. Uma hora a crise vai passar, e isso fica claro neste momento, com a mudança da Presidência. E quando a turbulência começar a se resolver, entendo que não há mais volta, quer dizer, o Brasil vai começar a olhar para a frente e arrancar. Por isso não paramos de investir e preparar não apenas mão de obra, mas também empreendedores, que serão fundamentais neste momento”, enfatiza Guerra.

O dirigente observa, no entanto, que é preciso ser um otimista moderado, com o pé no chão. “Se estávamos prevendo o epicentro da crise brasileira para o final de 2016 e 2017, com a troca de presidente, podemos nos surpreender de forma positiva. A economia vai se recuperar a partir do momento que o Governo Federal e o Brasil retomem a credibilidade e também a confiança dos empreendedores. Em maio, o Índice de Confiança subiu 5,1 pontos no ES, a maior alta em 16 meses”, afirma Guerra, explicando que esse indicador, que mensura a avaliação dos industriais sobre as condições gerais da economia, vem baixando sistematicamente – o ideal é que se mantenha em 50 ou mais pontos, o que denotaria confiança para investir.

Entrevista concedida para a Revista Indústria Capixaba, edição 324, uma publicação oficial da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), com produção editorial Línea Publicações (Next Editorial)
©Copyright Findes/Línea -2016
Continua após a publicidade

ES Brasil Digital

Continua após publicidade

Fique por dentro

Saques do auxílio emergencial e do FGTS antecipados. Como fazer?

Muitos brasileiros estão recebendo os valores por meio do aplicativo Caixa Tem. Para isso, algumas fintechs permitem que a transferência seja realizada antecipadamente.

CNI: acordo traz segurança a comércio exterior de produtos brasileiros

CNI comemorou ratificação do Protocolo de Nagoia. Saiba mais! A Confederação Nacional da Indústria (CNI) comemorou a ratificação do Protocolo de Nagoia, aprovada nesta quarta-feira...

Sebrae: cresce interesse por cursos a distância para empreender

Inscrições este ano, até o momento, chegam a 1,5 milhão de pessoas. Saiba mais! O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas...

Nascidos em abril podem sacar primeira parcela de auxílio hoje

Caixa paga terceiro lote do benefício. Saiba mais! Cerca de 400 mil beneficiários do auxílio emergencial, contemplados no terceiro lote do benefício, podem sacar hoje (9) os...

Vida Capixaba

Shopping Vitória realiza liquidação virtual nesta semana

A RED TAG (etiqueta vermelha), uma liquidação virtual dentro da Vitrine SV, entre os dias 8 e 10 de julho.

Webinar aborda a construção em aço na era da Indústria 4.0

A webinar “Construção em aço na era da Indústria 4.0”, que será realizada nesta quinta-feira (09), a partir das 17 horas.

Como fica o tempo nesta semana no Espírito Santo? Veja!

De acordo com o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), a previsão é de poucas nuvens e sem chuvas nas regiões capixabas.

Centro de Quarentena começa a funcionar em Vitória

A previsão é acolher cerca de 800 pessoas até o fim do ano. E para atender os pacientes, foi montada uma equipe com 44 profissionais, entre assistentes sociais, técnicos de enfermagem, entre outros.
Continua após publicidade