27.1 C
Vitória
terça-feira, 16 agosto, 2022

Mistério do avião que desapareceu

Foto: Reprodução

Este mês, completa 40 anos desde que o Boeing 707-323C da Varig sumiu sem deixar pistas

Na noite do dia 30 de janeiro de 1979, o avião cargueiro Boeing 707-323C da brasileira Varig partiu do aeroporto de Narita, em Tóquio, no Japão, em direção a Los Angeles, nos Estados Unidos.

Fez contato com a base, na capital japonesa, 33 minutos após a decolagem, quando sobrevoava o Oceano Pacífico a 500 km do litoral, mas não realizou a comunicação prevista para meia hora depois.

As forças aéreas japonesas e norte-americanas realizaram meses de busca, mas a aeronave nunca mais foi encontrada. Na época, o avião transportava, além de seus passageiros, 153 quadros do pintor Manabu Mabe, que estavam expostos no Japão e valiam cerca de 1,24 milhão de dólares.

Fazia parte da tripulação os pilotos Gilberto Araújo da Silva e Erni Peixoto, os oficiais Evans Braga e Antonio Brasileiro da Silva Neto e os engenheiros Nicola Esposito e José Severino Gusmão Araújo. A aeronave seguiria para o Rio de Janeiro, onde outra tripulação a assumiria.

Teorias

Muitas teorias surgiram ao longo do tempo. Uma delas é de que o voo 967 teria sido vítima de um sequestro organizado por colecionadores de obras de arte. Cada tela tinha o seguro avaliado em R$10 mil. No entanto, até hoje nenhuma delas foram colocadas à venda no mercado ilegal.

Algumas pessoas acreditavam, ainda, que o avião teria sido abatido por soviéticos que pensavam que o Boeing 707-323C estaria transportando um caça russo desmontado para os EUA. Desta forma, teria sido feito um pouso forçado em uma costa do país europeu e toda a população foi assassinada.

Mas a teoria mais plausível é de que a aeronave havia afundado 45 minutos após a decolagem devido a um problema de despressurização. Ela aponta que após ter alcançado, o ar escapou por conta de um vazamento na fuselagem e a atmosfera artificial foi prejudicada, causando o sufocamento da tripulação.

Por isso, a aeronave teria voado por horas no piloto automático até que ficou sem combustível e caiu no oceano, se tornando um dos maiores mistérios da aviação brasileira.

*Da redação, com informações da Folha de São Paulo

 

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Entre para nosso grupo do Telegram

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Continua após publicidade

Fique por dentro

Vida Capixaba

Continua após publicidade