27.6 C
Vitória
quarta-feira, 1 abril, 2020

O grave problema do crime de estupro no Brasil

Leia Também

Como evitar o contágio do coronavírus por meio de cédulas e moedas?

Assim como lavar as mãos e cobrir nariz e boca ao tossir e espirrar, outras medidas podem ajudar a evitar a propagação do novo coronavírus.

Exército constrói hospital com mais de 1 mil leitos

O Exército quer desafogar as unidades do sistema público de saúde e levar aos pacientes infectados com a Covid-19, e casos suspeitos da doença para o local.

Livros disponibilizados gratuitamente. Confira como acessar!

A Amazon, em parceria com autores, liberou o acesso às obras mais clássicas da literatura. Basta fazer o download e lê-los onde quiser!

Novo coronavírus: 96 casos confirmados no Espírito Santo

O Espírito Santo já registra 97 casos confirmados do novo coronavírus (Sars-Cov-2), sendo que um deles é de um paciente do Rio de Janeiro.

Dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública apontam mais de 60 mil casos de estupros no Brasil apenas em 2017

Recentemente, na cidade de São Paulo um caso de estupro ganhou grande repercussão na mídia. Duas jovens, de 17 e 21 anos, foram subjugadas no Parque Villa Lobos e estupradas por um criminoso.

De algum modo elas tiveram a força e determinação de retornar ao parque no dia seguinte, a coragem para denunciar o crime sofrido e a persistência para acompanhar a investigação policial que acabou por resultar em êxito na identificação e prisão do suspeito que agora responderá na justiça pelo seu brutal ato criminoso, fato esse que fez emergir o título desse artigo.

De acordo com o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, há registros de mais de 60 mil casos de estupros no Brasil apenas em 2017. Um aumento de 8,4% em relação a 2016, o que representa uma média de 164 estupros por dia. Só isso já era motivo para se ligar o alerta vermelho, mas a notícia pior é que estima-se que esses números representem apenas algo em torno de 10% dos casos. A subnotificação (quando a vítima não registra o fato aos órgãos públicos) acredita-se que alcança a ordem de 90%. Se os estudiosos estiverem certos chegaríamos a um número de 600 mil casos de estupros por ano no Brasil. Não dá nem para imaginar a gravidade desse problema.

A subnotificação (quando a vítima não registra o fato aos órgãos públicos) acredita-se que alcança a ordem de 90%.

Sem muito alarde, mudanças na lei foram feitas recentemente para esboçar uma tentativa, para combater esse delito.

Em síntese, o crime de atentado violento ao pudor, previsto no artigo n° 214 do Código Penal foi incorporado ao crime de estupro previsto no artigo n° 213 deixando-o mais abrangente, mas isso não gerou, pode-se dizer, efeito algum diante dessa quantidade de casos. Tampouco constar o crime de estupro na lista dos crimes hediondos parece colaborar com a diminuição desses números crescentes ano após ano. Não há mais como tangenciar esse assunto.

É imperativo o estabelecimento de um plano de ação envolvendo a sociedade e todos os órgãos públicos possíveis. O plano que sugiro deve passar primeiramente por uma campanha de largo espectro para toda a população, de modo a se criar uma conscientização sobre o que está acontecendo em nosso país e no mundo relativo a esse problema. Redes sociais, mídia impressa e televisiva, cartazes e faixas em todos os parques, escolas e locais de aglomeração de pessoas servirão para expor o problema e também poderá alertar sobre a importância de denunciar.

É imperativo o estabelecimento de um plano de ação envolvendo a sociedade e todos os órgãos públicos possíveis.

O outro aspecto que deve ser amplamente aperfeiçoado é o treinamento dos agentes públicos, em especial, os policiais para realizarem, além dos trabalhos preventivos, um melhor acolhimento em relação às vítimas, bem como a maior oferta de infraestruturas públicas aptas para receber as vítimas desses crimes.

Só assim conseguiremos ter uma esperança de reverter essa absurda quantidade nesse hediondo crime.


Diógenes Lucca é tenente-coronel de reserva da Polícia Militar, especialista em Gerenciamento de Crises e Negociação


LEIA MAIS

Reação policial: entendendo o conceito
Roubo da carga no Brasil

Publicidade

ES Brasil Digital

ES Brasil 174
Continua após publicidade

Fique por dentro

Ibovespa caminha para pior mês desde 1998

Na tarde de hoje (31), Ibovespa acumulava em março perda de cerca de 28%, que se mantida representará o pior desempenho mensal desde 1998.

Dicas gratuitas para superar a crise econômica da Covid-19

Evento trará estratégias e ações com os participantes para sobreviver à crise econômica e ter sucesso no pós-crise causada pela doença.

Negociação é o caminho para aluguel de pontos comerciais

A negociação com responsabilidade pressupõe real demonstração das consequências da crise e percepção recíproca para encontrar um ponto de equilíbrio das partes.

Indústria têxtil e de confecção já sofrem os impactos da pandemia

No Espírito Santo, a situação já é considerada crítica, de acordo com o presidente da Câmara da Indústria de Vestuário, José Carlos Bergamin.

Vida Capixaba

Sesi Cultura Online: Nano Vianna e André Prando

Para estrear as lives do Sesi Cultura online, dois ícones da música capixaba estarão se apresentando hoje. André Prando e Nano Vianna

Podcasts para empreendedores ouvirem durante o isolamento social

Uma das opções para o período de isolamento social é ouvir podcasts, formato que ganhou o gosto do brasileiro:em 2019. Veja as dicas!

Participe da 3ª Corrida Amaes Azul!

A corrida em solidariedade a causa do autismo tomará a 3ª Ponte, num trajeto de 10.800 km entre Vitória e Vila Velha. Será no dia 19 de julho

Desafios da carreira artística serão debatidos na internet

O ator e diretor Abel Santana vai realizar no decorrer desta semana  uma série de lives (ao vivo) nas mídias sociais, com diversos convidados de renome.
Continua após publicidade