21 C
Vitória
terça-feira, 20 outubro, 2020

Ana Paula Vescovi defende reforma tributária com impacto neutro na carga

Leia Também

Brasil tem prioridade no recebimento de vacina russa, diz fundo financiador

"Uma pequena porcentagem de pessoas pode ter febre, mas até agora não tivemos complicações graves", acrescentou Dmitriev

Mercado financeiro projeta queda de 5% na economia este ano

A previsão do mercado financeiro para a queda da economia brasileira este ano ficou em 5%

Eleições 2020: Brasil tem 147,9 milhões de eleitores aptos a votar

Mulher, com ensino médio e de 35 a 59 anos é o perfil majoritário do eleitor que votará nas eleições de 2020, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

É uma reforma importantíssima para a produtividade do País, dado o custo burocrático e de contencioso para as empresas e para o próprio Fisco”, acrescentou Ana Paula

Por Eduardo Rodrigues (AE)

A economista-chefe do Santander e ex-secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, defendeu nesta quinta-feira que a reforma tributária tenha um impacto neutro na carga, sem aumento ou redução de impostos.

“A discussão que geralmente interessa é melhorar o desenho do sistema e a sua eficiência. Fazer um sistema mais simples, mais justo, sustentável e transparente. Hoje nem sabemos quanto pagamos de imposto sobre bens e serviços”, afirmou, na videoconferência “Tributação sobre o consumo: a visão dos setores produtivos”, promovida pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Ana Paula lembrou que a reforma tributária elevará o potencial de crescimento da economia brasileira, com mais geração de empregos. “Teremos uma maior chance de investimentos que melhorem a infraestrutura e um país com muito mais chance de sair do que chamamos de armadilha da renda média”, completou.

Segundo Ana Paula, o impacto da reforma tributária que está no Congresso é de 10 pontos porcentuais sobre o PIB no longo prazo. “É uma reforma importantíssima para a produtividade do País, dado o custo burocrático e de contencioso para as empresas e para o próprio Fisco”, acrescentou.

O presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Isaac Sidney, foi pelo mesmo caminho e voltou a criticar propostas de criação de novos tributos na reforma tributária, como o imposto sobre pagamentos estudado pela equipe do Ministro da Economia, Paulo Guedes.

“Qualquer proposta de criação de novos impostos é uma ‘antirreforma'”, avaliou. “É fundamental que a reforma tributária não aumente a carga. Parece ser um senso comum, mas algumas propostas vão justamente na contramão dessa linha”, afirmou, na videoconferência.

O presidente da Febraban repetiu seu apoio às propostas (PEC45 e PEC110) que tramitam na Câmara dos Deputados e no Senado. “O novo modelo não deve interferir no funcionamento da economia. O modelo tributário afeta as decisões de produção, consumo e investimento, mas o regime atual é contrário à tomada de decisões que siga lógica econômica”, completou.

Sidney voltou a defender uma reforma com carga tributária equilibrada para todas as forças da economia e maior segurança jurídica para todos os agentes econômicos. “Hoje temos uma indústria de contencioso tributário que enriquece a muitos”, apontou.

O executivo ressaltou que a Febraban não pleiteia a redução de impostos, mas sim um modelo tributário mais competitivo. “A reforma tributária passou a ser imperativa e urgente para a retomada da economia após a pandemia de covid-19. Precisamos retomar a pauta da agenda fiscal sustentável, e isso passa pela reforma tributária”, concluiu.

Reforma administrativa

Ana Paula Vescovi avaliou, também, não ser viável ou razoável discutir a reforma administrativa junto com a tributária. “Temos que discutir a reforma diante de uma neutralidade tributária. O tamanho do Estado também é uma decisão da sociedade que não tem nada a ver com o desenho tributário. Temos condições de ter uma sociedade eficiente com maior crescimento potencial, independentemente se o Estado é grande ou pequeno”, afirmou.

Ana Paula ressaltou a importância da reforma administrativa dentro do debate sobre o tamanho do Estado e a sustentabilidade de dívida pública. “Mas essa é uma outra discussão. Precisamos ter essa clareza, ou vamos travar o debate sobre a reforma tributária”, avaliou.

Crédito

Isaac Sidney defendeu no evento a redução da carga tributária sobre as operações de crédito, que é paga pelo tomador de empréstimos e não pelos bancos. “A cunha fiscal sobre o spread bancário é um problema mal resolvido e precisamos tocar nessa ferida. Precisamos tornar o crédito mais acessível e isso passa por resolver as causas estruturais do spread”, afirmou o presidente da Febraban.

Segundo ele, a concessão de crédito teria sido ainda maior durante a pandemia se não fosse a alta carga de tributos sobre essas operações. Sidney destacou que a cada R$ 100 em spread bancário, os cidadãos e empresas pagam R$ 20 em tributos.

“Precisamos repensar o modelo tributário do crédito para que ele se torne mais barato para famílias e empresas. Muitas vezes as pessoas pensam que estão pagando juros, quando na verdade estão pagando tributos”, completou.

Custo de transição

Ana Paula Vescovi, alertou, na videoconferência, que o custo de transição na reforma tributária para Estados e municípios não pode sobrecarregar a União. “Temos que ter o cuidado de não colocar a conta da transição em cima da União ou sobrecarregar as contas pública para fazer um consenso sobre a reforma. Se o País crescer mais, todos os atores serão ganhadores nesse processo”, afirmou.

Para ela, a reforma tributária será uma oportunidade para se discutir questões do desenvolvimento regional, como subsídios e gastos tributários para atenuar ineficiências. “É preciso enfrentar a questão do excesso de subsídios no Brasil, que não encontra paralelos no mundo”, completou.

Como mostrou o Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, os secretários estaduais de Fazenda e Finanças defendem a criação de fundos com recursos da União para compensarem a eventual perda de arrecadação de entes na reforma, além da desoneração completa das exportações.

A criação desse fundo – com repasses de até R$ 480 bilhões em dez anos – esteve no centro da discórdia recente entre o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Enquanto Maia apoia o pedido dos governos estaduais, Guedes é totalmente contra o aumento do dispêndio da União no que considera uma recriação da extinta Lei Kandir – que foi alvo de disputas entre governo federal e governos regionais por mais de duas décadas.

- Publicidade -

Matérias relacionadas

Brasil tem prioridade no recebimento de vacina russa, diz fundo financiador

"Uma pequena porcentagem de pessoas pode ter febre, mas até agora não tivemos complicações graves", acrescentou Dmitriev

Ocupação de UTI no Estado de SP é a mais baixa da pandemia

"Estamos no controle da pandemia, mas a vacina é e será a única maneira de retornarmos ao normal", completou o secretário Gorinchteyn

Mundo chega a mais de 40 milhões de contaminações por covid-19

O aumento do número de infecções pode ser explicado em parte pela elevação do número de testes de diagnóstico em alguns países

Rússia inicia transferência tecnológica para produzir vacina no Brasil

Acordo entre o Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF) e a farmacêutica União Química pode permitir que a empresa produza no Brasil, ainda este ano, a vacina contra covid-19 desenvolvida na Rússia.

Mercado financeiro projeta queda de 5% na economia este ano

A previsão do mercado financeiro para a queda da economia brasileira este ano ficou em 5%

Defensoria pública de SP pede ao STJ habeas corpus coletivo para idosos presos

O defensor Rafael Muneratti, aponta ainda que pouquíssimos os pedidos de prisão domiciliar foram atendidos

ES Brasil Digital

Capa ES Brasil 181
Continua após publicidade

Fique por dentro

Guedes: estamos próximos de assinar acordo com EUA para evitar dupla taxação

Segundo o ministro, as novas reformas e novas fronteiras de investimento em diferentes setores possibilitarão o crescimento

Guedes diz que pode desistir de imposto sobre transações digitais

"A Febraban é que mais subsidia e paga todos os economistas brasileiros para dar consultoria contra esse imposto", afirmou Guedes

Rebanho bovino alcançou 214,7 milhões de animais em 2019, afirma IBGE

O Estado de Mato Grosso manteve a liderança na criação de gado, com 31,7 milhões de cabeças, o equivalente a 14,8% do rebanho nacional

Projeção do Focus para PIB de 2020 passa de -5,02% para -5,03%

No caso de 2021, a estimativa de crescimento da produção industrial seguiu em 4,53%, ante 5,50% de quatro semanas antes

Vida Capixaba

Instituto capixaba investe 1 milhão de reais em startups

Os futuros empreendedores capixabas serão contemplados com o investimento de R$1 milhão, para quem deseja abrir seu próprio negócio.

Um dia No Parque

O parque Estadual da Pedra Azul, em Domingos Martins, está participando do Festival um Dia no Parque.

Crianças entrevistam ministro Marcos Pontes em bate-papo especial

Em celebração ao Dia das Crianças e como parte da programação do Mês Nacional da Ciência, Tecnologia e Inovações (MNCTI), o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) organizou uma edição especial do Bate-papo Ciência & Tecnologia no Dia a Dia

IEL-ES está com 78 vagas para estágio na Grande Vitória

O IEL-ES está com 78 vagas de estágio em aberto nos municípios de Cariacica, Serra, Vila Velha e Vitória.
Continua após publicidade