26 C
Vitória
sexta-feira, 12 abril, 2024

Ana Paula Vescovi comunica seu desligamento do IJSN

Economista deixa o instituto apu00f3s quase quatro anos como diretora-presidenteA economista Ana Paula Vescovi reuniu a imprensa nesta quarta-feira (19) para comunicar o seu desligamento do Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN) e do Governo do Espírito Santo. Desde fevereiro de 2008, ela ocupava a função de diretora-presidente do IJSN e liderou a entidade no processo de reestruturação.

Centrada, Vescovi começou falando das conquistas e progressos feitos pelo IJSN nesses quase quatro anos. “O Instituto Jones dos Santos Neves, que tem grande importância para a sociedade capixaba, estava isolado, distante. A estrutura precisava de mudanças. Modernizamos processos, modificamos a questão da carreira e salários, valorizamos profissionais. Trabalhamos mais a questão da qualidade, não da quantidade. O instituto investiu em tecnologia: hoje temos o segundo maior Data Center do Estado. As mudanças foram significativas”, disse.

- Continua após a publicidade -

Em um segundo momento, a economista falou sobre as razões que a fizeram entregar o cargo de diretora-presidente da entidade. “Estou me desligando do Governo por uma decisão de cunho pessoal. Existem novos projetos para o instituto, que apontam em uma nova direção do que estava sendo realizado. Podemos dizer que significa menos flexibilidade e instrumentos para continuar”, falou. Segundo ela, com uma a nova gestão no Governo do Estado, uma relação mais próxima entre a Secretaria de Planejamento e o IJSN foi idealizada, resultando, entre outras coisas, em enxugamento de gastos e pessoal. O instituto tem R$ 20 milhões anuais para trabalhar, sendo cerca de R$ 16 milhões para pagamento de pessoal e os R$ 4 milhões restantes para tocar ações, projetos, consultorias, serviços terceirizados. Com a nova reestruturação desejada pelo Governo, metade da verba de R$ 4 milhões foi cortada.

Vescovi fez questão de frisar que seu desligamento não deixa seqüelas ou mágoas. “O governador Casagrande gentilmente entendeu a minha posição e inclusive propôs alternativas para que eu continuasse, até em outra área. Mas creio que o trabalho no Governo está feito”, destacou.

A economista terminou dizendo que pretende usar os próximos dias, ou no máximo semanas, para decidir suas ações e analisar alternativas profissionais. “Agora vou tirar um pequeno tempo com a minha família, que trouxe de Brasília. E logo em seguida, definirei se continuo no Estado ou retorno para lá, já que sou servidora federal”, concluiu.

Histórico

Ana Paula Vescovi é natural de Colatina. É economista, mestre em Economia do Setor Público pela Universidade de Brasília e em Administração Pública, pela Fundação Getúlio Vargas (EBAP-RJ). Iniciou a carreira pública na Prefeitura Municipal de Vitória, e, posteriormente, passou à carreira efetiva do serviço público federal.

No governo federal, atuou por dez anos na Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda, ocupando cargos de Coordenadora Geral da Área Industrial, Assessora Especial e Secretária Adjunta de Macroeconomia. Desenvolveu trabalhos nas áreas de crescimento econômico; competitividade e finanças públicas.

Participou do Conselho Deliberativo da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial – ABDI, do Conselho Técnico do IBGE, do Comitê para Instalação da TV Digital, do Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia e do Conselho Nacional de Turismo. Teve uma rápida passagem pelo Senado Federal como assessora de Economia do então Senador capixaba Renato Casagrande, antes de voltar para o Espírito Santo.

No Governo do Estado do Espírito Santo ocupou a Secretaria de Governo e, posteriormente, a Secretaria Extraordinária para o Combate à Pobreza. Em 2008, passou ocupar o cargo de diretora-presidente do Instituto Jones dos Santos Neves.

Entre para nosso grupo do WhatsApp

Receba nossas últimas notícias em primeira mão.

Matérias relacionadas

Continua após a publicidade

EDIÇÃO DIGITAL

Edição 220

RÁDIO ES BRASIL

Continua após publicidade

Vida Capixaba

- Continua após a publicidade -

Política e ECONOMIA