23 C
Vitória
domingo, 27 setembro, 2020

Agronegócio: máquina de gerar divisas para o país

Mais Artigos

O boom no turismo regional no mundo pós-pandemia do coronavírus

Estratégias para diferenciação e melhor aproveitamento da imensa demanda por hotéis e pousadas

Eleições Municipais: Vereadores e Prefeitos

É fundamental, nas eleições, escolher e votar em candidatos que estejam comprometidos com nossas cidades

Congresso Nacional

O que se observa hoje é que o tempo político, a necessidade de continuidade de posições políticas eleitoreiras de vários membros do Congresso e até da presidência da república

Cuidado com a imagem da sua empresa!

Uma organização, pequena ou grande, está baseada primordialmente naquilo que é o seu objetivo

De janeiro a julho deste ano, o setor teve um superávit comercial de US$ 53,97 bi

Por Enio Bergoli

O agronegócio se consolidou definitivamente como o setor mais estratégico para a socioeconomia do Brasil, gerando emprego, renda interna e divisas, mesmo em épocas difíceis devido à pandemia da Covid-19. De janeiro a julho deste ano, o setor teve um superávit comercial de US$ 53,97 bi, pois importou muito pouco, cerca de US$ 7,22 bi, e exportou fantásticos US$ 61,19 bi. Uma máquina de gerar divisas!

É importante registrar que o saldo entre exportações e importações totais nacionais só é positivo devido ao agronegócio. Os demais setores geram déficit, que de janeiro a julho de 2020 ficou próximo de US$ 24 bi. Como o agronegócio teve balanço positivo de quase US$ 54 bi, o saldo geral da balança comercial brasileira foi superavitário em quase US$ 30 bi. Sem o agro, o Brasil fica no vermelho!

Nesse período, as exportações totais brasileiras, que incluem todos os setores inclusive o agronegócio, foram de US$ 120,89 bi, uma cifra negativa de 6,7% em relação aos primeiros sete meses de 2019, quando alcançaram US$ 129,60 bi. Na contramão da crise e dos demais setores da economia, o agronegócio teve crescimento positivo de 9,2% nos produtos exportados, atingindo US$ 61,19 bi, ante a US$ 56,05 bi no ano passado. O setor cresceu na crise!

Ressalta-se ainda que, somente nos meses de janeiro e fevereiro deste ano, o montante exportado pelo agronegócio ficou um pouco abaixo do registrado em 2019. Fato justificado principalmente pela Covid-19 na Europa, que limitou suas importações. Contudo, desde março até julho de 2020, recordes mensais em sequência foram batidos, com cifras próximas ou acima de US$ 10 bi/mês. Um gigante, mesmo na pandemia!

Apesar de uma pauta de exportações muito diversificada, destacam-se em valor e volumes exportados cinco grandes arranjos produtivos do agronegócio: soja, carnes, sucroalcooleiro, produtos florestais e café. Nesses, somos líderes ou estamos entre os principais players do comércio internacional. A eles se somam sucos, frutas, milho, algodão, pescados, lácteos, especiarias e tantos outros produtos que chegam à mesa de 1 bilhão de pessoas em mais de 150 países.  Segurança alimentar do planeta garantida! 

Segundo estudos da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico – OCDE, que reúne os países mais desenvolvidos do mundo, a produção de alimentos terá que crescer pelo menos 20% nos próximos 10 anos para atender a demanda mundial. Por exemplo, em 2030 o planeta terá 600 milhões de pessoas a mais em relação à população atual, que é de 7,7 bilhões. E caberá ao Brasil suprir quase a metade dessa demanda alimentícia, por ser um país que tem área agrícola disponível, sem necessidade de derrubar uma árvore sequer,  além de competência tecnológica comprovada no agro. Cenário positivo para o agronegócio!

Caso nosso país acelere a superação de muitos gargalos que dificultam o dinamismo da agricultura e seus negócios associados, especialmente na área de infraestrutura e logística, o  setor vai crescer de forma mais acelerada e aproveitará com consistência o cenário de oportunidades que está posto. Garantir segurança alimentar com alimentos de qualidade, controlar a inflação e gerar divisas são contribuições estratégicas e fundamentais do agronegócio nacional que transcendem os limites geográficos do Brasil. Vida longa ao agronegócio brasileiro! 

Enio Bergoli é Engenheiro Agrônomo do Incaper, especialista em Administração Rural e Ex-secretário de Agricultura do Espírito Santo

ES Brasil Digital

Continua após publicidade

Fique por dentro

Agências da Caixa não abrem neste sábado

Diferentemente das últimas três semanas, as agências da Caixa Econômica Federal não abrirão neste sábado (26) para saques do auxílio emergencial e do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Economia: pedidos de seguro-desemprego caem 11,6% na 1ª quinzena de setembro

O custo de cada parcela adicional é estimado em R$ 8,35 bilhões, segundo cálculos da equipe econômica obtidos pelo Broadcast

‘Vamos fazer programa de substituição tributária’, diz Guedes

Ricardo Barros (PP-PR), afirmou ainda que não haverá aumento de carga tributária na proposta de reforma que o governo construirá

Conab avalia que Brasil terá segunda maior safra de café em 2020

O 3º Levantamento da Safra 2020 de Café, divulgado hoje (22), em Brasília, pela Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), foi estimado em 61,6 milhões...

Vida Capixaba

Cirurgia inédita no Estado para tratar tumores de pulmão

O procedimento é inovador! Chamado de lobectomia uniportal por vídeo, o procedimento será realizado no dia 26 de setembro. 

Farol Santa Luzia e Igreja do Rosário são reabertos com novas regras de visitação

A reabertura dos pontos turísticos capixabas acontece aos poucos e na última quarta feira (23) mais dois, localizados em Vila Velha, reabriram para visitação depois de ficarem fechados por meses, em consequência da pandemia do novo Coronavírus.

Difícil controlar o estresse na pandemia?

Na semana em que se comemora o dia Dia Mundial de Combate ao Estresse (23) resultados de estudos comprovam que nos últimos seis meses, devido à pandemia do COVID, a demanda por medicamentos para estresse, depressão e insônia, aumentou.

Terminam hoje inscrições para II Encontro Capixaba de Pesquisa em Educação Ambiental

Voltado para estudantes, pesquisadores, professores e demais educadores ambientais, o encontro será realizado de quarta-feira (23) a sexta-feira (25) de forma virtual devido às medidas de prevenção ao novo Coronavírus (Covid-19).