30.5 C
Vitória
domingo, 17 janeiro, 2021

A tecnologia disruptiva e como ela irá mudar sua vida e seu negócio

Mais Artigos

Leis da atração dos votos: a fuga dos polos e a força centrípeta para 2022

As disputas municipais de 2020 entregam importantes recados do eleitorado a quem já se paramenta para a corrida presidencial de 2022.  Embora obviamente não crave sentenças, o resultado nas urnas mostrou que os extremos opostos não atraíram,

“Sucessão no Congresso e reforma ministerial”

a matemática muitas vezes não se aplica à política - no caso, as anunciadas alianças não representam que determinado partido

Pelo fim dos consensos políticos

De fato, conforme a filosofia de Aristóteles, somos seres racionais dotados da capacidade de avaliar, sob o ponto de vista lógico

De tempos em tempos, transformações agudas rearranjam toda a sociedade. As mudanças vão acontecendo, novos hábitos de consumo são incorporados e as pessoas não conseguem imaginar como viviam as gerações passadas sem as novas tecnologias. Quando digo para minhas filhas que em boa parte da minha juventude não existia celular e nem internet, elas me questionam como eu conseguia viver.

Atualmente, estamos vivendo, talvez, um dos mais revolucionários momentos de mudança nos nossos hábitos de consumo e também nas empresas. A tecnologia e a comunicação são os gatilhos dessas mudanças e provocam avanços sem volta, além de novos paradigmas para serem superados. O que dava certo antes já não funciona mais.

Um fantasma bem assustador chamado “tecnologia disruptiva” vem tirando o sono de muitos executivos e empresários. A tendência vem redefinindo e aniquilando setores e negócios tradicionais da economia do dia para a noite, mudando completamente o modelo de fazer negócios ou de prestar determinados serviços.

As tecnologias disruptivas são aquelas que destroem algum produto ou serviço existente, atendendo às mesmas exigências dos clientes com diferenças bastante significativas, utilizando algo completamente diferente e novo. O exemplo clássico de tecnologia disruptiva é a máquina fotográfica digital em relação à máquina fotográfica tradicional, com filme e revelação.

Outro exemplo pode ser visto no Uber, aplicativo usado em mais de 300 cidades pelo mundo, que coloca clientes e motoristas em contato, diminuindo o tempo de espera e o preço do transporte urbano. Mesmo sem propaganda, o serviço tornou tão popular que abalou os serviços de taxi tradicionais. Recentemente, na França, os diretores do Uber foram presos acusados de prática de serviços ilegais. Em São Paulo houve greves de taxistas para impedir que o Uber continue a funcionar, mas, o processo é irreversível. Não conseguimos controlar, e sim, regulamentar.

O mesmo está acontecendo com o aplicativo Airbnb, que facilita o aluguel de acomodações de anfitriões locais em mais de 190 países, aproximando o inquilino do dono do imóvel, de maneira simples e ágil. Esta tecnologia já está desconcertando o modelo de negócio dos hotéis e pousadas em várias cidades do mundo. O que então dizer dos aplicativos Spotify e Deezer, que estão revolucionando a maneira de ouvir e consumir músicas, deixando rapidamente obsoletos vários produtos de reprodução musical?

No entanto, algumas premissas são imutáveis. Todo produto ou serviço disponível no mercado só existe porque é solução para o problema de alguém: o consumidor. Se um novo produto ou serviço é lançado e o consumidor percebe que ele é melhor que o antigo, rapidamente vê o antigo como obsoleto e migra para o novo, sem remorsos. Por isso, as empresas são obrigadas a mudar e se reinventar constantemente se quiserem permanecer vivas.

O fato é que a ruptura é veloz e inevitável. Sem que possamos resistir, as tecnologias e novas tendências do cotidiano vão mudar a forma como vivemos, trabalhamos e nos divertimos. Vivemos em um mundo cada vez mais volátil, complexo e ambíguo e ser visionário fará toda a diferença para crescer e se diferenciar em qualquer contexto, seja na era dos negócios voltados para era digital ou para os negócios tradicionais de diferentes setores da economia. Se não conseguimos resistir às mudanças, adaptemos a elas.

Eduardo Couto é economista e presidente da empresa de Tecnologia de Informação TOTVS no Espírito Santo e no Norte Fluminense.

ES Brasil Digital

ESBrasil-184 - Retrospectiva
Continua após publicidade

Fique por dentro

Produção agropecuária de 2020 alcança R$ 871 bilhões

as variáveis determinantes para os resultados estão relacionadas aos preços dos produtos no mercado interno

Balança comercial do agronegócio soma US$ 100,81 bilhões em 2020

esses setores foram responsáveis por 80% das exportações do agronegócio em 2020, contra os 78,9% de participação registrados em 2019

Conab estima colheita de 264,8 milhões de toneladas de grãos

A Conab ressalta que, neste quarto levantamento, houve uma revisão da periodicidade e metodologia do quadro de oferta e demanda de arroz

2ª onda não tem mesmas consequências econômicas da 1ª

Bruno Serra afirmou também que a instituição precisou adotar um grau de estímulo monetário "forte" no Brasil

Vida Capixaba

Festival verão sem aglomeração

O Festival de Verão sem Aglomeração acontece de 18 a 23 de janeiro

Vai um queijinho aí?

O município de Ibitirama ganhou sua primeira agroindústria, o negócio é uma queijaria e foi o primeiro estabelecimento de 2021

Aquaviário: Transporte parece mais perto!

Serão quatro estações em três cidades, duas em Vitória, uma em Vila Velha e outra em Cariacica

Edição Especial dos Cafés Campeões

Produtores foram homenageados pela Cooperativa Cooabriel