23 C
Vitória
terça-feira, 24 novembro, 2020

A pandemia e um novo futuro para a cabotagem

Mais Artigos

Crise para quem não pesquisa

Pesquisar seus mercados, traçar cenários realistas e tomar decisões embasadas em dados é a melhor solução

“O day after eleitoral”

O mundo da política seguirá fervilhando - discussão sobre o orçamento de 2021, a prorrogação ou não do auxílio emergencial

Palmares nega Zumbi!

No mês da Consciência Negra, atribuído às comemorações do dia da morte de Zumbi dos Palmares, em 20 de novembro 1695

Mensagem de WhatsApp tem valor como documento?

Tais técnicas representam a maior arma do Estado com o fito de combater o crime, em especial, o organizado

Foto – Divulgação/ArcelorMittal

Para impulsionar a cabotagem o Ministério da Infraestrutura lançou o programa de incentivo BR do Mar

Por Eduardo Zanotti

A despeito das inúmeras incertezas geradas pela pandemia, incluindo a falta de clareza sobre a duração da doença e os impactos que causará no caixa das empresas em médio e longo prazos, um fato é certo: mais do que nunca precisaremos aproveitar todas as potencialidades nacionais possíveis para alavancar a economia e retomar o desenvolvimento do país. Com uma extensão litorânea de cerca de 7,4 mil km e a maior parte da sua atividade econômica concentrada na região costeira (pelo menos 80% da população moram a até 200 km do litoral), nosso país tem subutilizado, ao longo dos anos, um de seus maiores potenciais: o transporte de carga via navegação entre portos.

A cabotagem, como é denominado esse modal, é responsável por apenas 11% desse transporte no Brasil. A maior parte das cargas (61%) são movimentadas por rodovias, gerando mais poluição e aumentando casos de acidentes e de roubos de cargas nas estradas. Na tentativa de reverter esse cenário e impulsionar a atividade, o Ministério da Infraestrutura lançou um programa de incentivo, o BR do Mar, que aguarda votação do Congresso. A expectativa é de que este programa torne este modal mais competitivo e utilizado. Exemplos bem-sucedidos não faltam para estimular os atores envolvidos nesse debate e aumentar a participação do modal na matriz do transporte brasileiro. Um deles já completa 17 anos de sucesso. Desde 2003, a ArcelorMittal Tubarão, em Serra (ES), tem transportado suas cargas por via marítima para a sua unidade em São Francisco do Sul (SC). Iniciado com cerca de 50 mil toneladas de aço, esse volume chegou a 1,8 milhão de toneladas em 2019, abastecendo não só a ArcelorMittal Vega, mas também clientes diversos na região Sul.

Mais recentemente, a ArcelorMittal também oficializou uma linha de cabotagem entre o estado catarinense e o município de Goiana, em Pernambuco, numa parceria com a Fiat Chrysler Automóveis (FCA), para quem fornece aços planos. Os testes começaram em 2018 e se consolidaram em 2019, quando o transporte do aço migrou completamente do modal rodoviário para o hidroviário.

Até então, as bobinas de aço produzidas pela ArcelorMittal Vega seguiam em caminhões para Goiana, em um percurso de mais de 3,2 mil km. Para atender à demanda média por aço da fábrica da Jeep (cinco mil toneladas mensais), eram necessários 122 caminhões. Devido à volatilidade do preço do frete e ao risco de eventuais interrupções do transporte por caminhões, as empresas começaram, então, a buscar alternativa ao modal rodoviário. Estudos de custo mostraram a viabilidade da migração para a cabotagem. Os testes também revelaram que a modalidade marítima reduziria o custo logístico e traria, ainda, ganhos para o meio ambiente, reduzindo a emissão de CO² em 3,6 mil toneladas/ano. Com a cabotagem, a operação passou a acontecer entre os portos de Itajaí, próximo a São Francisco do Sul, e de Suape, em Recife, que atendem a Goiana. Além de Pernambuco e Espírito Santo, a ArcelorMittal também tem outros fluxos semelhantes a partir de Santa Catarina para Amazonas e Maranhão.

Somente da unidade capixaba, 60% da expedição de bobinas a quente voltada para o mercado doméstico (cerca de 1,8 M ton/ano) são transportadas dessa forma. Considerando que um caminhão tem capacidade de transportar 27t, podendo chegar a 50t nos casos de bi-trem, pode-se estimar uma redução de até 40 mil caminhões/ano nas estradas (base média: 45t caminhão), apenas com produtos de Tubarão.

Como se vê, vantagens não faltam a esse modal. Infelizmente, o Brasil está longe de atingir todas as suas potencialidades. Estratégica para o país e a sua economia, a cabotagem demanda e merece novos investimentos que o ajudem a superar obstáculos como restrições de rotas, pouca integração com outros modais e burocracia. Estimular a cabotagem significa ter menos caminhões nas estradas, menos ocorrência de roubos de cargas, menos emissões carbônicas. Em resumo: ajuda a proteger vidas e a preservar o meio ambiente. Essas, por si só, já são razões suficientes para incentivarmos esse importante setor.

Eduardo Zanotti é Vice-presidente Comercial da ArcelorMittal para o segmento de Aços Planos América do Sul

ES Brasil Digital

Capa ES Brasil 182
Continua após publicidade

Fique por dentro

Bruno: espaço para extensão de auxílio é muito reduzido

"A medida que está reduzindo auxílio e aterrissando no Bolsa Família, a economia vai retomando", disse o secretário do Tesouro

MJ leiloa 434 cabeças de gado usado para lavagem de dinheiro

Segundo o ministério, o leilão é resultado da alienação antecipada decretada pela 7ª Vara Federal da Seção Judiciária de Mato Grosso

País quer elevar comércio com a Índia, diz Guedes

"Nossos olhos brilham como vemos acordos como o da Ásia, que integram toda a região", afirmou o ministro da economia

Guedes: transformar recuperação cíclica em autossustentável

Ministro admitiu que o governo vem falhando, porque ainda não conseguiu diminuir nem 1% nesta administração. "Falha nossa"

Vida Capixaba

Sabores da Terra começa dia 26 na Praça do Papa

Feira sabores da terra reúne 715 empreendedores de diversos setores do Estado no próximo dia 26

Influenciadores digitais criam e-book sobre Espírito Santo

Um E-book com informações turísticas do Estado foi elaborado por um grupo de nove colaboradores. O livro digital intitulado “Conheça o ES” reúne informações dos 78 municípios do Espírito Santo

Cuidados da Mente: novo modelo de negócio na saúde mental

Grupo investe em novo modelo de negócio para atendimento em saúde mental, apostando em diagnósticos mais precisos e diminuição no número de internações

Festival da Família: Diversão em Cena ArcelorMittal

Festival da família, ação é interativa e promove o desenvolvimento emocional de crianças