23.9 C
Vitória
sexta-feira, 5 março, 2021

A Ford fez história

Leia Também

O que esperar do mercado imobiliário em 2021

Com a taxa de juros em seu patamar mais baixo da história, as pessoas continuam buscando ativos reais, a exemplo dos imóveis, porque é...

Crime e não mera crítica: legalidade da prisão em flagrante de Daniel Silveira

O deputado já é alvo de investigação em dois inquéritos policiais que apuram respectivamente a prática de atos antidemocráticos Por Eneida Taquary A prisão em flagrante...

A destruição da poupança

A caderneta virou aquele cofre em forma de porquinho, ou seja, é um mero lugar para se guardar dinheiro, para não se ter o incômodo e os temores de deixá-lo em casa.

O movimento anunciado pela Ford do Brasil faz parte de uma reestruturação global que vem sendo implementada desde 2018

Por Tião Oliveira (AE)

A trajetória da Ford no Brasil tem 113 anos. Começou em 1908 – antes, portanto, de a empresa se estabelecer no País como montadora e apenas cinco anos após o início das operações da fábrica de Dearborn, em Michigan, Estados Unidos.

Por isso, o anúncio de que a empresa deixaria de produzir veículos no Brasil pegou muita gente de surpresa. Aliás, a decisão foi comunicada menos de 30 dias após a Mercedes-Benz anunciar o fechamento de sua planta de automóveis no País. Mas vários sinais acerca dessa possibilidade vinham sendo revelados há tempos.

O movimento anunciado pela Ford do Brasil faz parte de uma reestruturação global que vem sendo implementada desde 2018. E que remonta ao Fordismo, conceito criado pelo fundador da empresa, Henry Ford, por volta de 1914.

O Fordismo tinha como principal pilar tornar o produto industrializado acessível ao maior número possível de pessoas. Para isso, pregava a redução dos custos de produção.

A meta agora é cortar mais de US$ 36 bilhões (uns R$ 200 bilhões, na conversão direta) em custos operacionais nos próximos anos. Isso inclui menos empregados na Europa, China, América do Sul e, em menor escala, na América do Norte.

Novos rumos

A Ford pretende direcionar esses recursos para o desenvolvimento de carros elétricos e autônomos. A empresa também está deixando de oferecer modelos menores, como hatches e sedãs, para ampliar a oferta de SUVs, picapes e comerciais leves, como vans e furgões. Não há segredo. Esses veículos são mais rentáveis.

A guinada busca atender as mudanças pelas quais o setor automotivo vem passando. Até mesmo nos Estados Unidos, o mercado de veículos enfrenta turbulência após anos de crescimento constante.

No Brasil, a Ford já havia fechado a histórica fábrica de São Bernardo do Campo, no ABC paulista. Com isso, encerrou a produção do Fiesta no País. Também deixou de fazer o Focus na Argentina e o Fusion no México. Os dois modelos eram vendidos no Brasil.

A empresa promete que não vai deixar o brasileiro na mão. Por meio de comunicado a Ford informa que “estará ativamente presente no Brasil com sua rede de concessionários e continuará honrando a garantia de seus veículos, oferecendo assistência total ao consumidor com operações de vendas, serviços e peças de reposição, normalmente, após a garantia”.

O fato é que a Ford marcou a vida de muita gente. E produziu aqui modelos como o Galaxie, considerado como o carro mais luxuoso feito no País.

Já o EcoSport foi criado no Brasil, virou global e criou o segmento de SUVs compactos que não para de crescer.

Veja, abaixo, momentos marcantes da Ford no Brasil:

Novos caminhões e motores

Em 1958, a linha nacional foi ampliada com os modelos F-100 (foto), F-350 e F-600 com motor a diesel. A fábrica de motores no Ipiranga e uma fundição em Osasco foram inauguradas no mesmo ano.

Um luxo só

O Galaxie 500 foi lançado em 1967 e é considerado por muitos como o carro mais luxuoso produzido no Brasil. De grande porte, o sedã tinha o que havia de mais moderno em termos de tecnologia

Família de modelos

O Corcel surgiu com quatro portas, ganhou versão cupê (foto) e, mais tarde, uma configuração perua, que foi batizada de Belina. Moderno e econômico, o modelo logo caiu no gosto do consumidor brasileiro.

Maverick era sonho de consumo

Em 1973, o Maverick chegou ao Brasil e virou sonho de consumo. O modelo era oferecido inicialmente com carroceria cupê, motor 3.0 de seis cilindros em linha e V8 5.0. A versão GT é cultuada até hoje.

EcoSport inaugurou segmento

Lançado em abril de 2003, o EcoSport era derivado do Fiesta e foi o primeiro SUV compacto produzido no Brasil. O modelo deu origem a um segmento que não para de crescer e virou um carro global.

Robusta e sofisticada

Lançada no Brasil em 1994, a Ranger era importada dos EUA e anos depois passou a ser feita na Argentina. A linha foi modernizada e tem várias opções de cabine, motor e câmbio, além de tração 4×2 e 4×4.

Compacto moderno

Desenvolvida no Brasil, a nova geração do Ka passou a ser global e ganhou versão sedã. Em 2014, o motor 1.0 TiVCT de três cilindros começou a ser produzido no polo industrial de Camaçari (BA).

ES Brasil Digital

ESBrasil-184 - Retrospectiva
Continua após publicidade

Mais Motores

Audi R8 ao Espírito Santo no segundo semestre

Nova versão do superesportivo herda características dos carros de corrida de Le Mans Um dos mais luxuosos carros da Audi, o...

Jeep tem melhor mês de janeiro da história

Janeiro teve um aumento de 23% em comparação com o mesmo mês do ano passado A marca Jeep, que no ano...

Vendas globais da Citroën sobem 7%

C3 ocupa a liderança com mais de 106 mil modelos vendidos A Citroën tem motivos para comemorar apesar das dificuldades vividas...

Blogs e colunas

Digitalização no mercado automotivo impacta a experiência do motorista

O Coronavírus provocou uma mudança sem precedente, obrigando diferentes setores a adotarem soluções digitais rapidamente

Quanto custa manter um carro?

Muitos afirmam que os gastos com o carro se assemelham aos que se tem com um filho

Acessórios automotivos: conheça os tipos e as preferências de cada motorista

Personalização, customização, individualização. Os nomes são muitos, mas uma coisa é certa: nos últimos tempos, a moda é transmitir a personalidade de cada um através de cada item do dia-a-dia.