Vitória Moda: 10ª edição surpreende o público com desfiles e novidades

Foto: Jackson Gonçalves

Estandes com exposição de peças, espaço criativo, de negócios e desfiles movimentaram o mercado da moda 

A 10ª edição do Vitória Moda, o maior evento do setor de moda e vestuário do Espírito Santo, realizado entre os dias 11 e 13 de julho, no Centro de Convenções de Vitória, em Santa Lúcia, recebeu, cerca de seis mil visitantes em um espaço criativo e empreendedor. Quem passou por lá, conferiu um salão de negócios, desfiles das maiores marcas do Estado, que apresentaram ao público peças vistas na passarela, além das empresas que expuseram suas novidades.

Com o tema “A História do jeans”, que surgiu em 1792 e foi popularizado pelo judeu Levi Strauss em 1860, o evento foi idealizado para alavancar a indústria têxtil capixaba. A partir de suas modificações na peça, o produto tornou-se mundialmente conhecido até hoje. Sendo assim, nada mais democrático do que esta história representar a feira de moda.

De acordo com o presidente da Câmara Setorial da Indústria do Vestuário da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), José Carlos Bergamin, a indústria do jeans do Espírito Santo possui reconhecimento nacional. “Não somente o jeans de design diferenciado, mas também o jeans básico. E esta indústria é a que mais contribui para a economia do estado e, assim, a que mais emprega”, contou.

Bergamin reforça que o objetivo do evento é que a cada ano seja desenvolvida a cadeia da indústria do vestuário. Desta forma, o tema jeans foi lançado para dar real visibilidade nacionalmente deste importante setor que é o principal no Espírito Santo.

No dia 10 de julho, a abertura oficial do evento contou com a palestra da jornalista e especialista em moda, Lilian Pacce, que falou sobre “Os ícones do Jeans e a sua influência na moda contemporânea”. Na ocasião, a apresentadora e editora-chefe do GNT Fashion, fez um passeio por looks do jeans ao longo dos anos. Eles foram apresentados em fotografias, vídeos, ilustrações e outros recursos. Ao final, a Orquestra Camerata Sesi, que chega ao seu 9º ano de atuação, realizou uma linda apresentação tendo à frente como regente e diretor artístico o maestro Leonardo David.

Nesta edição, as novidades foram o ‘Espaço Business’ e o Salão ‘Ofícios da Moda’. No Espaço Business, as peças que foram apresentadas nos desfiles foram comercializadas em um salão chamado de “See Now, Buy Now” (‘veja agora e compre agora’). As outras peças das coleções das marcas também foram vendidas no atacado e varejo.

Fotos: Clóvis Louzada

Já no Salão “Ofícios da Moda” segmentos da cadeia produtiva da moda como estamparias, lavanderias, fábrica de botões, revistas de moda, estiveram à disposição do público. Diversas empresas levaram novas técnicas para apresentarem aos empresários do setor e aos consumidores.

A gestora do programa de moda do Sebrae, Carla Bortolino Bassetti, disse que neste ano a proposta da empresa foi introduzir a consultoria de moda como um diferencial em relação as edições anteriores. “Buscamos  oferecer apoio aos compradores, fizemos recepções  e tivemos uma equipe responsável por informar e apresentar cada marca presente, além de fazer o “antes e depois”, disponibilizando a cada consumidor uma peça de roupa das marcas que estão participando do Vitória Moda”, explicou.

Economia

Para o setor do vestuário, o Vitória Moda possibilita aos empresários e microempresários do ramo a alavancar a economia capixaba, segundo o presidente do Sistema Findes, Marcos Guerra. “O evento é muito importante, pois fortalece o setor, interiorizando a mão de obra, que não se concentra em apenas uma região, além de ser uma porta de entrada para a geração de empregos. Estamos muito otimistas e confiantes de que os resultados na economia capixaba serão positivos e teremos números satisfatórios”, contou Guerra.

Para o presidente da Câmara Setorial da Indústria do Vestuário da Findes, José Carlos Bergamin, as vendas deste ano devem superar as de 2016 em 10%. “Este número pode aumentar, ainda mais por conta das relações estabelecidas durante a feira. Uma das nossas ações é o programa Inovamoda que tem por objetivo desenvolver o vestuário no Estado. Nós trabalhamos as empresas ao logo do ano e damos consultoria de design e mercado de venda, preparando sua apresentação para o Vitória Moda”, destacou.

“Esta margem de superação também pode aumentar caso a situação econômica no país melhore. Para o ano que vem, projetamos mais setores participando da feira e não apenas os ligados ao vestuário. Queremos dar oportunidade a outros símbolos capixabas, produtos que também são de importância econômica e que podem agregar ao evento, como o café, a cachaça e o chocolate, por exemplo”, completa Bergamin.

A professora e empreendedora, Celecina Maria de Morais, encontrou no evento a oportunidade de aumentar suas vendas. “Assistindo aos desfiles, vendo as tendências, fazemos a compra certa e a garantia da venda ser certa é bem maior”, destacou. A dona da loja Estação 4, localizada no município de Barra de São Francisco, informou que está encontrando uma forma de garantir sua renda após a aposentadoria. “Preciso fazer meu pé de meia, pois com a crise econômica que vivemos, não podemos deixar de pensar no futuro”, ressaltou.

Há mais de 20 anos no mercado da moda, a empresária Edir Boti mantém a loja Edir Confecções funcionando a todo vapor. A empresária e a filha cuidam do espaço, localizado no município de Colatina, e sentem a dificuldade na economia. “As vendas não caíram tanto, mas tentamos nos desvencilhar desses percalços. Fazemos promoções pelas mídias sociais, e buscamos atrair as clientes. Os desfiles estão lindos, e tenho a convicção de que teremos um bom retorno após o evento”, frisou.

Desfiles

Os desfiles foram marcados por muitas cores e formas geométricas diferente do ano passado. Neste ano, cada marca usou a peculiaridade para expressar o que há de melhor em seu produto. Estreando na passarela do Vitória Moda, a Balãozinho se consolida no mercado com opções de vestuário confortável e moderno para todas as crianças, desde as recém-nascidas  até o pré-teen.

Com o crescimento do segmento têxtil infantil, a Balãozinho tornou-se uma das principais fornecedoras de roupas infantis do Brasil. Hoje, cerca de 60% de toda a sua produção é comercializada para as regiões Norte e Nordeste do País. Dentro do Estado a grife disponibiliza 20 lojas para atender os consumidores finais.

Em cada peça o tom dominante foi o de leveza e conforto fundamentais para as crianças curtirem dias de alegria e muita aventura. “Os tons mesclas de cinza contrastando com o laranja foram os eleitos para nos ajudar a criar o clima de fim de tarde. Além disso, as variações do azul, verde e degradê integram a nova coleção”, informou o coordenador de criação da marca, Edeilson Lima.

A marca Buffalo’s, especializada em moda country, foi o desfile mais aguardado no segundo dia de evento. Com peças ricas em pedraria, e lavagens diferenciadas dos Jeans, a marca ousou no espaço levando um show de rodeio para a passarela. Berrantes, apresentador de rodeio e uma plateia animada fez o evento ser um diferencial.

Foto: Divulgação/ Konyk

Um dos desfiles mais expressivos foi o da marca Konyk, que trouxe o ator Felipe Roque como um dos destaques do evento. Encerrando o último dia de desfiles, a marca levou a frase “Viver é ver” como tema, se inspirando na técnica do grafite. Além disso, um grupo de hip-hop abrilhantou o desfile, fazendo uma dança especial para o momento.

No dia 26 de julho acontece a entrega do troféu “Prêmio Findes de Moda” onde são eleitos os destaques do Vitória Moda. A premiação tem três categorias: Melhor desfile; Melhor Estilista; Marca Revelação e o lançamento da Revista Vitória Moda Mag.

Confira em nosso site a galeria de fotos.

Deixe seu comentário

Please enter your comment!
Favor insira seu nome