Termina nesta terça-feira (02) consulta pública sobre barreira na 3ª ponte

Modelo de barreira que passará por consulta pública a partir do dia 17 de setembro (Montagem - ES Brasil)

O projeto está publicado no site da Agência de Regulação de Serviços Públicos (ARSP)

A Agência de Regulação de Serviços Públicos (ARSP) recebe até esta terça-feira (02) contribuições e informações que subsidiarão a decisão da diretoria colegiada quanto ao projeto de instalação de barreira de proteção na Terceira Ponte. A consulta pública ARSP 005/2018 está disponível no site www.arsp.es.gov.br .

A ARSP esclarece que após receber da concessionaria Rodosol os projetos conceituais com quatro tecnologias decidiu, naquele momento, estudar a instalação de placas de vidros. No entanto, esse material apresentou-se inviável por conta da área de atrito pelo túnel de vento, baixa resistência às intempéries e ações de vandalismo. Identificou-se, à época, que as placas de vidros deveriam possuir lâminas duplas com película anti-impacto, estrutura robusta de ancoragem, limpeza, substituição e manutenção constante.

Evoluiu-se, então, no estudo com a tecnologia de cabos de aço sustentados por barreiras verticais inclinadas por possuir menor custo de fabricação e manutenção, fácil acesso para manutenção da estrutura da Ponte, menor área de atrito pelo vento, menor prazo de instalação e por manter – dentro do possível – o cone de visibilidade do Convento da Penha.

A Agência, em contato com a Rodosol, desenvolveu um protótipo da estrutura vertical inclinada com cabos de aço para, de fato, comprovar se haveria resistência à transposição de pessoas. Porém notou-se que a inclinação necessária para evitar que pessoas pudessem escalar a estrutura não poderia ser obtida, uma vez que as telas não poderiam adentrar para a área útil da Terceira Ponte utilizada para a circulação de veículos. Outros testes de inclinação e altura foram realizados, no entanto, ambos se apresentaram tecnicamente inviáveis. Identificou-se, também, que os tensionadores dos cabos horizontais possuíam rigidez o suficiente para ser utilizado como escada.

Dadas essas questões, a ARSP e a Rodosol evoluíram com o estudo de cabos rígidos verticais, sem inclinação, com altura de 2 metros e espaçamento de 10 centímetros a serem instalados sobre a estrutura de guardas-rodas existente na Ponte. Lanças pontiagudas foram inseridas na estrutura horizontal superior e testes realizados pelo Corpo de Bombeiros indicaram que a atual tecnologia apresenta difícil transposição.

A ARSP informa que a instalação de barreira de proteção não constitui solução suficiente, por si mesma, para equacionar esse grave problema de saúde pública. Muito embora exista a perspectiva de substancial diminuição de ocorrência sobre a Terceira Ponte, “faz-se necessário que a vítima obtenha atenção dos poderes públicos, da família e da sociedade”, como afirma Júlio Castiglioni, diretor geral da ARSP.

Segundo Castiglioni, “em todos os conglomerados urbanos em que ocorre alto índice de suicídios, a comunidade local tem travado uma importante discussão sobre a conveniência de se instalar dispositivos de proteção”. Assim como ocorre no Espírito Santo, locais como São Francisco (EUA) e Melbourne (Austrália) se colocaram nessa discussão por longos anos. Aqui no Estado, “a ARSP, em conjunto com o Governo do Estado, decidiu por implantar o dispositivo de proteção sob a premissa de que a vida deve ser tutelada, seja em favor das pessoas que tristemente atentam contra si mesmas, ou em favor das pessoas que diariamente necessitam trafegar pela Ponte, inclusive, para se submeter a tratamentos de saúde”, comentou.

Com isso, a ARSP – mediante auxílio técnico da concessionária e do DER-ES – adotará os atos necessários à instalação do dispositivo após promover a consulta pública para receber sugestões da população capixaba. Segundo Kátia Muniz Côco, diretora técnica de infraestrutura viária da ARSP, “a relevância da decisão demanda plena participação popular”.

Conteúdo Publicitário

Aproveite as promoções especiais na Loja da ES Brasil!