Maioria do STF vota para crimes comuns de congressistas irem à 1ª instância

STF julga foro privilegiado
Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil

Dos 7 ministros que já votaram, apenas Alexandre de Moraes votou pelo julgamento pelo STF de todos os casos envolvendo senadores e parlamentares.

Até esta quinta-feira (23), sete dos 11 ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram a favor da restrição ao foro privilegiado para deputados e senadores. Dias Toffoli pediu vistas do processo e não há ainda uma data para a retomada.

Apesar do pedido de Toffoli por mais tempo para analisar o material, o decano Celso de Mello adiantou o voto. O ministro acompanhou a decisão da relatoria e afirma que os parlamentares devem ser submetidos às mesmas leis e mesmas condições dos demais cidadãos.

Foro privilegiado

Os ministros do STF entendem que os congressistas somente devem responder a processos na Corte se o crime for praticado no exercício do mandato. Se não, os casos devem ir para a primeira instância.

STF julga foro privilegiado
Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil

A interpretação de Luís Roberto é que deputados federais e senadores somente devem responder a processos criminais no STF se os fatos ocorrerem durante o mandato. Os ministros Marco Aurélio, Rosa Weber, Cármen Lúcia e Luiz Fux acompanharam o relator.

Por outro lado, o ministro Alexandre de Moraes propõe que a Corte julgue todos os crimes dessas autoridades, sejam eles ligados ou não à atividade parlamentar.

Ainda faltam votar os ministros Dias Toffoli, que pediu vistas, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes. Celso de Mello já antecipou sua decisão.

Conteúdo Publicitário

Aproveite as promoções especiais na Loja da ES Brasil!

Deixe seu comentário

Please enter your comment!
Favor insira seu nome