Serra: prefeito diz estar sendo vítima de “tentativa de golpe”

O prefeito da Serra, Audifax Barcelos (Rede), disse que a agência de desenvolvimento do município não pode ser atrapalhada por conta de tentativas de desarticulação (Fotografia - Renato Cabrini)

Em coletiva à imprensa, o gestor disse a intenção de alguns membros do Legislativo municipal é travar a agenda de desenvolvimento do município

O prefeito da Serra, Audifax Barcelos (Rede) manifestou, na tarde desta terça-feira (02), todo o descontentamento com a Câmara Municipal e disse estar sendo vítima de uma “tentativa de golpe” por parte do presidente da casa, Rodrigo Caldeiras (Rede). A razão dessa “perseguição” seria o não aceite por parte do chefe do Executivo em uma suporta intervenção na chamada na licitação da Parceria Público-Privada (PPP). Em coletiva à imprensa, o gestor disse a intenção de alguns membros do Legislativo municipal é travar a agenda de desenvolvimento do município.

“Nós estamos, há alguns meses, produzindo uma licitação através de uma PPP, que a gente chamou lá na prefeitura de ‘PPP do Lixo’ ou dos Resíduos Sólidos. Para os senhores terem uma ideia, o contrato mensal dessa PPP aproximadamente R$ 7 milhões. Era uma PPP de mais de 20 anos, totalizando quase R$ 2 bilhões. Seria a primeira PPP aqui no Estado do Espírito Santo no que diz respeita a questão dos resíduos sólidos. Ele [vereador Rodrigo Caldeira] me vez alguns pedidos do ponto de vista da interferência dele no processo e eu imediatamente falei que nesses 10 anos de prefeito, 20 anos de secretário […], eu não participo de licitação”, relatou o prefeito.

A segunda questão que o presidente do Poder Legislativo municipal havia pedido ao administrador seria o pagamento de determinada empresa cujo processo de pagamento havia ultrapassado o prazo legal.

“Na questão da PPP, Rodrigo Caldera lidera e faz, no dia 25 de fevereiro, um projeto de lei 31 aprovada em dois turnos onde coloca que todas as Parcerias Público-Privadas deverão ter anuência e aquiescência obrigatoriamente do Poder Legislativo da Serra”. Para Audifax, essa lei é inadmissível. “Eu imediatamente a minha equipe e disse: vamos anular essa PPP, porque eles estão fazendo um projeto obrigando que eles têm que participar. Não existe isso”, destacou o gestor na coletiva.

“Eu estou sendo vítima de uma tentativa de golpe do presidente da Câmara da Serra”, disse o prefeito. “Tenho totais indícios que o crime organizado, que nós já conhecemos essa história no Espírito Santo algumas décadas atrás, na presidência da Câmara da Serra”, completou. O prefeito disse não poder entrar em detalhes, porque atrapalharia os “órgãos de controle” com os quais vem mantendo contato nos últimos dez dias, inclusive com a entrega de documentos. “Eu espero que esses órgãos apurem essa minha expectativa”.

Em retorno ao contato da ES BRASIL, a Câmara Municipal da Serra respondeu que o presidente está surpreso com essa situação e que “a casa acatou imediatamente a ordem do judicial, e encaminhou para a procuradoria para que tome as devidas providências”, disse a nota enviada. O processo tratado em questão foi o abertura de oito procedimentos investigatórios com base em uma denúncia feita no dia 25 de março pelo ex-motorista da casa de leis serrana Daniel Ribeiro Luz. Em despacho realizado no dia 01 de abril, a juíza da Vara Fazenda Pública Municipal, Telmelita Guimarães Alves, expediu mandado de segurança para suspensão dos trabalhos das comissões processantes por avaliar irregularidades no procedimento.

 

Conteúdo Publicitário

Aproveite as promoções especiais na Loja da ES Brasil!