Rodosol deve se posicionar sobre melhorias na Terceira Ponte

Foto: Reprodução

O projeto foi apresentado para Comissão de Infraestrutura da Assembleia Legislativa em parceria com a Agência de Regulação de Serviços Públicos

A Comissão de Infraestrutura da Assembleia Legislativa (Coinfra) apresentou durante uma reunião, um estudo sobre as ações necessárias para garantir melhor fluxo de veículos na via, que liga Vitória a Vila Velha. Desta forma, a Agência de Regulação de Serviços Públicos (ARSP), convocou a Rodosol, concessionária que administra a Terceira Ponte, a se posicionar em até 30 dias.

O objetivo do estudo é que a concessionária avalie a viabilidade do referido projeto conceitual e apresente suas ponderações sobre os aspectos técnicos, bem como estudo de tráfego comparativo com as demais propostas atualmente discutidas para a Terceira Ponte.

O projeto, que é de autoria do engenheiro civil Luiz Carlos Menezes, propõe criar mais duas faixas na ponte, totalizando seis faixas para circulação de veículos, e não quatro como é atualmente. De acordo com o projeto, considera-se que se trata muito mais de uma modificação operacional do que estrutural, tornando as faixas mais estreitas, com tamanho de 2,8 metros cada (atualmente cada faixa tem 3,5 metros de largura).

Para realização da mudança proposta pelo engenheiro, seria necessária, basicamente, a substituição da mediana central de concreto por metálica, mais esbelta, e pequenas obras de adequação. “Há espaço suficiente para a implantação de uma nova via em cada sentido, a exemplo do que já aconteceu em importantes avenidas de São Paulo e do mundo”, destacou.

Meneses acrescentou que a medida estaria dentro dos padrões estabelecidos pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran), além de fazer com que os motoristas diminuam a velocidade, reduzindo também a ocorrência de acidentes.

Outro motivo de gargalo na Terceira Ponte seria o pedágio sendo cobrado em dois sentidos. A exemplo de outras pontes, como a Ponte Rio-Niterói, no Rio de Janeiro, a proposta do engenheiro seria a cobrança de pedágio em apenas um sentido (Vila Velha–Vitória), aumentando o número de cabines para cobrança da tarifa, como forma de melhorar o tráfego. Assim, o número de cabines para cobrança em dinheiro aumentaria de cinco para nove, e cobrança automática de duas para três cabines.

Segundo o presidente da Comissão de Infraestrutura, Marcelo Santos, A Coinfra já está agendando uma visita técnica com engenheiros do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Espírito Santo (Crea-ES). “Quanto mais respaldados estivermos, mais estaremos prontos para contribuir numa melhoria do fluxo dessa via importantíssima para a Grande Vitória”, disse.

Deixe seu comentário

Please enter your comment!
Favor insira seu nome