Usar resíduos de rochas na agropecuária é possível. Conheça o protocolo!

Embrapa, Findes e Sindirochas-ES assinaram protocolo de intenções sobre pesquisas na área durante o evento Vitória Stone Fair (Fotografia - Renato Cabrini)

Os chamados “remineralizadores de solos”, além de disponibilizarem novos micronutrientes, aumentam a eficiência de uso de vários outros

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Federação das Indústrias do Estado do Espírito Santo (Findes) e Sindicato da Indústria de Rochas Ornamentais, Cal e Calcários do Espírito Santo (Sindirochas) assinaram protocolo de intenções para o desenvolvimento de pesquisas e tecnologias que permitem o aproveitamento de resíduos de rochas ornamentais na agropecuária.

A assinatura do protocolo tem por objetivo estabelecer uma maior interação das entidades envolvidas, levando as pesquisas para o campo da efetiva utilização para o manejo da fertilidade do solo pela recomposição de minerais e aumento da eficiência no uso de nutrientes pelas plantas.

O Brasil é o quarto maior produtor mundial de pedras naturais. O Espírito Santo conta com o maior arranjo produtivo do setor e é destaque não apenas no tipo de materiais, mas em toda cadeia produtiva que atua na transformação do produto. A Embrapa atua em pesquisas com rochas moídas in natura, chamadas “pó de rocha”.

“Queremos que a ciência esteja disponível com os seus recursos para trabalhar em benefício do setor que certamente trará vantagens significativas para a agropecuária”, disse o presidente da Embrapa, Sebastião Barbosa durante a assinatura do documento, na abertura da Vitoria Stone Fair, em fevereiro.

Barbosa ainda ressaltou que o uso de matérias primas hoje descartadas permite aumentar a oferta de alternativas para reduzir os custos de produção. Segundo ele, a Embrapa tem todo interesse em compartilhar conhecimento e somar esforços com as entidades estaduais e o Incaper.

(Fotografia – Agência Brasil)
Potencial de uso

Segundo o pesquisador da Embrapa Cerrados (Planaltina – DF), Eder Martins, os chamados remineralizadores de solos, além de disponibilizarem novos micronutrientes, aumentam a eficiência de uso de vários outros.

Como parte do acordo de cooperação, Findes e Sindirochas vão disponibilizar informações e dados técnicos para a pesquisa da Embrapa e acompanhar o desenvolvimento do trabalho para fornecer todo o suporte possível. Uma nova agenda está marcada para março, no Espírito Santo. Existem hoje, no Brasil, oito polos de produção de rochas ornamentais: Espírito Santo, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia, Paraíba e Ceará.

Para março, já existe uma nova agenda de trabalho, em solo capixaba, para dar andamento dos trabalhos.

*Da redação com informações da Findes


LEIA MAIS

Sindirochas estima expectativas para o setor de rochas ornamentais

Conteúdo Publicitário

Aproveite as promoções especiais na Loja da ES Brasil!