Quinze municípios capixabas sobem de categoria no Mapa do Turismo Brasileiro

Rampa de Voo Livre Alfredo Chaves / Foto: Divulgação

O relatório divulgado pelo Ministério do Turismo aponta melhoria do desempenho de destinos importantes como Aracruz, Conceição da Barra, Domingos Martins e Linhares

O Ministério do Turismo (MTur) divulgou a atualização do relatório que categoriza os municípios que compõem o Mapa do Turismo Brasileiro. Dos 78 municípios capixabas, 62 conseguiram entrar no mapa. Destes, 15 tiveram crescimento econômico pelo setor, subindo de categoria ‘E’ para ‘D’.

A atualização do relatório foi realizada em junho de 2017, e a cada dois anos é atualizado pelo MTur. Neste ano, foi registrado um aumento da classificação dos municípios seja pelo número de empregos ofertados por meio do Turismo, ampliado os estabelecimentos formais de hospedagem ou o fluxo de turistas nacionais e internacionais, seja por políticas do setor.

De acordo com o ministro do Turismo, Marx Beltrão, a equipe do ministério está atenta às demandas do setor como melhoria de infraestrutura, legalização e qualificação dos serviços ofertados. “A melhoria na classificação de um destino importante como Aracruz, Conceição da Barra, Domingos Martins e Linhares mostra que nossos municípios têm trabalhado cada vez mais para fortalecer a atividade turística”, avaliou.

Três Ilhas, em Guarapari / Foto: Sandro Toledo

Por outro lado, outros dois municípios do Estado tiveram redução em suas categorias: Guarapari e Iúna. Segundo o ministro, foram destinados, desde 2003, aproximadamente R$ 6 milhões para os dois municípios para obras de urbanização, drenagem, pavimentação, construção de Portal, entre outras categorias.

Para a gerente do Núcleo de Gestão da Secretaria de Estado do Turismo, Carolina Fávero Souza, Guarapari é considerada uma cidade turística, com boas referências, mas a redução na categoria não é vista como um problema. Já Iúna foi classificada na categoria correta.

“O município de Guarapari desceu da categoria “A” para “B”, mas não foi adequado. Entretanto, não encaramos isso como um problema, pois ele está dentro do padrão nacional. Iúna está classificada na categoria correspondente, descendo da categoria “C” para “D”. O município não possui o fluxo turístico necessário para manter-se onde estava. Acredito que possa ter sido um equívoco na avaliação anterior”, pontuou.

Já os municípios de Vila Pavão e Ibitirama foram classificados na categoria “E”, impossibilitando-os de pleitear recursos de infraestrutura, por exemplo. “O MTur entende que não há necessidade de investimento nesses municípios, pois não há um fluxo turístico suficiente. Mas isso não quer dizer que eles não possam subir de categoria na próxima avaliação. Isso depende mais deles do que de nós”, destacou a gerente.

Tecno Truta, em Ibitirama / Foto: Reprodução

Carolina ressalta que o fato dos municípios turisticamente importantes melhorarem suas categorias é um resultado do trabalho que vem sendo desenvolvido pela Secretaria de Turismo do Espírito Santo. “Nos últimos três anos, por exemplo, desenvolvemos uma ação focada na aproximação com os municípios e com as regiões turísticas já atentos ao Programa de Regionalização do Turismo. Então é gratificante colher os bons resultados”, comemorou.

Mapa do Turismo

O Mapa do Turismo é um importante instrumento para acompanhar o desempenho da economia do turismo nos municípios e serve também como balizador de políticas do setor. É um documento que norteia os setores administrativos dos Estados envolvidos com o turismo.

O relatório é atualizado e aperfeiçoado periodicamente. Assim, se um município teve seu fluxo turístico e seus estabelecimentos formais de hospedagem ampliados, provavelmente, na próxima edição da categorização, quando os dados dele serão novamente considerados, ele poderá mudar de categoria.

Geralmente, o Ministério do Turismo financia as pesquisas por meio de funcionários que visitam os Estados e municípios, ou por meio de pesquisas enviadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Ministério do Trabalho, entre outros órgãos.

Classificação

Os municípios são classificados entre “A”, que são os que estão aptos a pleitear recursos de infraestrutura, como construção de estradas e rodovias de interesse turístico; orlas e terminais fluviais, lacustres ou marítimos; reforma de terminais rodoviários intermunicipais e interestaduais, de aeroportos, ferrovias e estações férreas de interesse turístico; sinalização turística, entre outros. Os municípios classificados em “E”, não podem buscar recursos e estão dispensados das atividades turísticas.

O Espírito Santo conta com 62 cidades no Mapa do Turismo Brasileiro, classificadas da seguinte maneira: A (01), B (09), C (15), D (35) e E (02).

De acordo com a nova categorização, Divino de São Lourenço, Iconha, Jerônimo Monteiro e Mucurici, agora na categoria ‘D’, passam a contar com até R$ 150 mil por ano do governo federal para a realização de festejos.

Já Alfredo Chaves, Boa esperança, Castelo, Fundão, Marechal Floriano, Nova Venécia e Venda Nova do Imigrante, classificadas como ‘C’, têm direito a um limite de R$ 400 mil, enquanto Aracruz, Conceição da Barra, Domingos Martins e Linhares, agora na categoria ‘B’, passa a acessar um teto de R$ 500 mil.

Os 15 municípios que subiram de categoria:

Alfredo Chaves

Aracruz

Boa Esperança

Castelo

Conceição da Barra

Divino de São Lourenço

Domingos Martins

Fundão

Iconha

Jerônimo Monteiro

Linhares

Marechal Floriano

Mucurici

Nova Venécia

Venda Nova do Imigrante

Conteúdo Publicitário

Aproveite as promoções especiais na Loja da ES Brasil!