Os dois primeiros meses da temporada 2019 da Oses

Helder Trefzger é o maestro titular da Orquestra Sinfônica do Estado do Espírito Santo

Os dois primeiros meses da Temporada 2019 da Oses – Orquestra Sinfônica do Estado do Espírito Santo terão como destaques a presença de obras de compositores consagrados, como Tchaikovsky, Grieg, Bizet e Weber, dentre outros.

Logo no primeiro concerto, foi lembrado o Conservatório de Paris, um dos mais tradicionais centros de ensino de música, que há séculos vem formando gerações de compositores e intérpretes, em um programa com obras de Massenet, Saint-Saëns e Cesar Franck, nomes consagrados que estudaram e/ou lecionaram nessa instituição, em um programa que incluiu a parte final da sua Suíte Scènes Pittoresques, intitulada Fête Bohème (Festa boêmia), de Massenet, uma página contagiante, em ritmo de polonaise, anunciada por uma imponente fanfarra de metais, o concerto para harpa intitulado Morceau de Concert, Op. 154 (Peça de concerto, Op. 154), para harpa e orquestra, de Saint-Saëns, poucas vezes tocado no Brasil.

Destaque para a solista, a harpista Maíni Moreno, integrante da Oses. E, por fim, do belga Cesar Franck, o programa trouxe a célebre Sinfonia em ré menor, obra marcante no repertório sinfônico do Século 19, principalmente devido à sua forma cíclica, aperfeiçoada por Franck. Nela, os temas conversam entre si e reaparecem em todos os movimentos. A obra é considerada um pilar do repertório sinfônico de qualquer grande orquestra mundo afora.

Na sequência da temporada, de Tchaikovsky foram apresentadas as Suítes O Lago dos Cisnes e A Bela Adormecida, dois dos mais conhecidos trechos musicais do mestre russo, nas quais os instrumentos narram com ritmos e sons as consagradas histórias infantis. Destaque para o solo de violino, que foi interpretado pela violinista Gabriela Queiroz.

As suítes Peer Gynt, do compositor norueguês Grieg foram a base do concerto inspirado na conexão entre a música e o teatro. A primeira suíte começa com o famoso Amanhecer, uma das passagens mais famosas de Grieg.

Já o compositor alemão Carl Maria Von Weber terá duas obras apresentadas no mês de março, a abertura da ópera Euryanthe e o Concerto para clarinete e orquestra n.º1. A ópera Euryanthe, estreada em 1823, em Viena, foi inspirada no romance de cavalaria francês do século 13, “A História do mui nobre príncipe-cavaleiro Gérard, conde de Nevers”, escrito por Helmina von Chezy. Sua abertura representa o estilo do início do romantismo alemão.


Helder Trefzger é maestro titular da Orquestra Sinfônica do Estado do Espírito Santo

Conteúdo Publicitário

Aproveite as promoções especiais na Loja da ES Brasil!