Mariana (MG) determina local para reassentar comunidade destruída

Samarco
Distrito de Bento Rodrigues, em Mariana (MG), atingido pelo rompimento da barragem de rejeitos da mineradora Samarco (Antonio Cruz/Agência Brasil)

Após dois anos da tragédia com a barragem da Samarco, local foi escolhido para construir novas casas.

O município de Mariana, em Minas Gerais, criou a Zona de Urbanização Específica de Interesse Social que será utilizada para reassentar a comunidade de Bento Rodrigues. O lugar foi destruído após o rompimento da barragem da mineradora Samarco, em novembro de 2015. A lei foi publicada nessa quinta-feira (27)

A zona de urbanização é chamada atualmente de Lavoura e está localizada no distrito de Camargos, também afetado pelo crime ambiental. Segundo informações da Agência Brasil, a área deve receber 225 famílias desalojadas pela tragédia.

Camargos e Bento Rodrigues eram ligados por uma ponte, parte da antiga Estrada Real. O terreno foi escolhido pelos moradores da comunidade mais afetada. Foi o que informou a Fundação Renova, organização financiada pela mineradora e responsável pela gestão das ações de reparação dos danos.

Com a sanção e publicação da lei, Lavoura passa a ser considerada área urbana e pode ser parcelada em lotes menores. A lei autoriza a desapropriação judicial ou amigável, a execução de pavimentação e sistema de drenagem na via de acesso à área.

A lei determina que os lotes serão exclusivamente destinados à habitação de interesse social, voltada à população de baixa renda.

Compartilhe