Marcilio Machado explica como o cenário político brasileiro e a economia externa afetam o as transações externas capixabas

Na última vez que foi entrevistado pela ES Brasil, Marcilio Rodrigues Machado acabara de tomar posse como novo presidente do Sindiex (Sindicato do Comércio de Exportação e Importação do Estado), em 2014.

* Por Vitor Taveira

Os desafios eram enormes com a extinção do Fundap (Fundo de Desenvolvimento das Atividades Portuárias) e as mudanças nas regras relacionadas ao ICMS, que afetavam diretamente o setor. De lá pra cá, a conjuntura modificou-se, mas as lutas continuam enormes, sendo que muitas delas persistem. Por isso, conversamos novamente com o dirigente, que comentou como as recentes situações na política nacional e na economia internacional afetam as transações externas do Espírito Santo.

Quais as expectativas para o setor do comércio exterior diante do Governo interino e da possível efetivação de Michel Temer como presidente da República? Como isso pode influenciar o Espírito Santo?
As expectativas são boas, pois creio que o governo Michel Temer poderá recuperar a confiança que foi perdida com esses 13 anos de má gestão no Brasil. A confiança é a base fundamental de qualquer relacionamento. Os investimentos só ocorrem em ambiente de confiança, e eles é que impulsionam a produtividade e o crescimento de uma economia.

A reforma ministerial realizada afeta o setor? Como?
Uma reforma importante já está acontecendo no Itamaraty. O Brasil, em função das mudanças, está revendo o seu relacionamento com os outros países, com mais lógica e racionalismo. O setor de comércio exterior, para avançar, depende de uma maior abertura comercial e de pragmatismo. Esperamos que novos acordos regionais sejam assinados pelo Brasil, de modo que os empresários possam abrir mais mercados para os seus produtos.

O Espírito Santo é considerado um dos estados mais abertos ao comércio internacional. Como a atual baixa no preço das commodities em nível internacional está influenciando a economia do Estado e quais alternativas temos para superar essa situação?
A baixa atual de preços de commodities afeta o Espírito Santo e o Brasil como um todo, e ninguém sabe quanto tempo vai demorar para que haja uma recuperação das cotações. Portanto, não podemos esperar uma alta de preços de commodities para obtermos melhores resultados de nossas exportações e crescimento de nossa economia. A saída é exportar produtos de maior valor agregado. Para que isso aconteça, precisamos inserir cada vez mais as nossas empresas nas cadeias de suprimentos globais. Precisamos nos abrir mais para o comércio exterior. Cabe à sociedade pressionar o Governo para avançar com acordos comerciais, promover a facilitação de comércio exterior através da modernização de processos e da redução da burocracia no setor.

Quais os dados e o balanço que se pode fazer das importações e das exportações capixabas neste primeiro semestre de 2016?
As exportações do Espírito Santo fecharam em US$ 2 bilhões de janeiro a abril deste ano, uma queda de 40%, se comparado com o mesmo período de 2015. Nas importações, as operações totalizaram US$ 1,2 bilhão no intervalo analisado, o pior resultado desde 2007, com desaceleração de 36% ante o ano anterior.
As exportações capixabas são muito dependentes de commodities, e o maior comprador de nossas matérias-primas, a China, está passando por um ajuste em sua economia, que não está crescendo mais como no passado. Consequentemente, temos que estimular que outros segmentos se envolvam em processos de exportação e explorem novos mercados. Precisamos ser mais ousados e vender para o maior mercado de consumo do mundo, que são os Estados Unidos. Vejam, por exemplo, o sucesso do setor de rochas ornamentais, que através de muito trabalho tem conseguido expandir nesse mercado mencionado anteriormente.

O Sindiex completou 24 anos em maio. Qual a importância desta associação empresarial para o desenvolvimento do setor no Estado?
O Sindiex tem atuado para consolidar o nosso Estado e nossas empresas dentro do cenário de comércio exterior do Brasil. Temos tido uma atuação bastante ativa nas discussões sobre infraestruturas portuária, aeroportuária e rodoviária. Procuramos conhecer com profundidade todas as legislações referentes ao comércio exterior e seu impacto nas empresas, de modo que possamos avançar e sermos competitivos. A nossa associação tem sido muito proativa e tem trabalhado em colaboração com todos os órgãos anuentes e intervenientes de comércio exterior de forma que sejam reduzidos os custos de transação nos processos.

O Espírito Santo já conseguiu se adaptar e absorver o peso das mudanças no Fundap e no ICMS?
Lamentavelmente, o Espírito Santo ainda não conseguiu absorver o peso das mudanças no Fundap. Isso só irá acontecer quando tivermos uma infraestrutura portuária moderna e eficiente. Precisamos, no curto prazo, resolver o problema de falta de um porto ou berços que possam atracar grandes navios que transportam contêineres. É bom lembrar que cerca de 75% do comércio intencional é feito através da modalidade marítima.

A infraestrutura para escoamento da produção é muitas vezes um problema que afeta a competitividade do Estado. Houve avanço nos últimos anos?
Que propostas o Sindiex tem nesse sentido?
Houve avanço em outros estados brasileiros com os quais nós competimos. Avanços, se houver [no Espírito Santo], foram muito tímidos. Infelizmente, tanto os exportadores como os importadores têm que utilizar portos em outros estados devido à enorme deficiência de infraestrutura para escoamento de nossos produtos. Grande parte da exportação de café e granito é feita através de portos em outros estados brasileiros. Isso aumenta o custo das empresas, o tempo de trânsito e, consequentemente, afeta o fluxo de caixa.

Em entrevista à ES Brasil em 2014, o senhor falava da importância de inserir os pequenos empresários no ramo do comércio exterior. Quais as maiores dificuldades para isso e como superá-las?
É preciso desenvolver uma cultura exportadora e trabalhar junto aos órgãos governamentais para reduzir as barreiras de entrada e burocracia. Isso é uma tarefa difícil, mas não impossível de ser realizada. Na Alemanha, por exemplo, que possui uma das maiores taxas de exportações globais per capita do mundo, grande parte das exportações é feita por empresas familiares, e de pequeno e médio porte. Acredito ser este um bom modelo a ser seguido pelos brasileiros.

Na mesma época, o senhor mencionava que a resolução definidora da alíquota de 4% de ICMS para transações interestaduais não solucionava a chamada “guerra fiscal” que alegava combater. A disputa entre estados para atrair novas empresas e empreendimentos continua. Como está o Espírito Santo nesse cenário?
Nunca gostei do uso desta metáfora: “guerra fiscal”. Trata-se de concorrência que vai continuar existindo entre os estados. Contudo, isso é algo que passou, e não creio que possa ser revertido. O Estado do Espírito Santo foi prejudicado, mas temos que olhar para frente. Temos agora que resolver os nossos problemas de logística. Isso significa, mais uma vez, achar uma alternativa para o nosso problema portuário num espaço mais curto de tempo possível, pois as cargas que saírem de nosso Estado serão muito difíceis de serem recuperadas.

Compartilhe

Deixe seu comentário

Please enter your comment!
Favor insira seu nome