Fundesul atrai investidores para sul do Espírito Santo

Novo fundo irá atender 27 municípios, impactando 700 mil habitantes

Fomentar o desenvolvimento das microrregiões Litoral Sul, Centro-Sul e Caparaó, por meio de projetos privados que gerem emprego e renda. Esse é o objetivo do Fundo de Desenvolvimento Econômico do Sul do Estado do Espírito Santo (Fundesul), instituído pela Lei nº 10.677 no Diário Oficial do dia 22 de junho deste ano e que entrou em operação em agosto.

Confira decreto instituindo o Fundesul.

Essa nova linha de crédito, que disponibiliza até R$ 3 milhões de recursos, com juros anuais de 8,55%, poderá ser acionada pelos 27 municípios que integram a Região Sul capixaba, impactando uma população em torno de 700 mil habitantes. “A proposta é que o Fundesul atue como uma alavanca de desenvolvimento aos diversos negócios e empreendedores, o que nos permitirá criar outras bases econômicas diversificadas na região”, afirmou o governador Paulo Hartung, durante a cerimônia de inauguração do escritório regional em Cachoeiro de Itapemirim, no dia 22 de agosto.

“O fundo é um projeto que cria uma ferramenta para dinamizar a economia. Uma linha de crédito em apoio à instalação de novas empresas e à ampliação daquelas já existentes nos diversos setores: indústria, comércio, serviços, polos empresariais, agronegócio, pousadas de ecoturismo, ampliação do segmento de rochas ornamentais, empresas de software, instituições de ensino e infraestrutura de energia”, enumera o secretário de estadual de Desenvolvimento, Eduardo Azevedo (foto).

Ouça a matéria:

Ele destacou ainda que as condições foram criadas com um padrão semelhante às que o Banco do Nordeste opera as linhas da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) no Norte do Estado, com objetivo também de equilibrar o crescimento entre as duas regiões. “São condições diferenciadas, bastante atrativas. O valor de teto do Fundesul é na ordem de R$ 3 milhões, e o aporte autorizado pelo Bandes poderá representar até 80% do empreendimento. O prazo de carência será de até 36 meses, com amortização de até 120 meses, na TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo), mais 2%, o que dá em média um valor em torno de 8,5%”, detalhou.

Inauguração do escritório regional do Fundesul

Novos investimentos

Dois novos investimentos já foram aprovados pelo Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes), operador financeiro do fundo: uma escola de idiomas em Cachoeiro e uma Central de Geração Hidrelética (CGH), em Mimoso do Sul.

O médico Fabio Rabbi Bortolini (foto), diretor clínico do Hospital Evangélico de Cachoeiro de Itapemirim, e agora sócio-gerente da escola de inglês Maple Bear do município, assinou o primeiro contrato de financiamento. Bortolini fortaleceu a defesa de que o Fundesul será importante ferramenta para valorizar o Sul do Estado. “E, o mais importante, é que a maior facilidade de financiamento garantida pra essa nova linha de crédito irá reter empreendedores, empresários e famílias que até então se sentiam desmotivados a investir, e até mesmo de permanecer na região”, destaca.

Outro ponto levantado por ele é o que podemos chamar de chamado “efeito cascata” positivo. “Este novo empreendimento de uma escola canadense de padrão internacional, com ensino bilíngue, vem ao encontro da proposta do Fundesul, pois traz uma melhoria substancial às futuras gerações. Isso porque, além de manter por aqui crianças que muitas vezes eram levadas aos grandes centros, fará com que as escolas da região também se mobilizem em melhorar continuamente o nível educacional, o que irá beneficiar toda a população, independentemente do nível socioeconômico”, defende Bortolini.

Outro empresário que garantiu recursos do Fundesul para seu investimento foi Roberto Attademo. Até 2019, no máximo, o município de Mimoso do Sul terá uma nova central de geração hidrelética, uma miniusina de até 3 MW, em Santa Luzia. “O Fundo possibilitou estruturarmos com o Bandes um mix de captação de recursos que viabilizou o todo. O valor do financiamento do projeto da CHG é de R$ 6,5 milhões, sendo R$ 3 milhões pelo Fundesul e o restante pela linha de crédito da Economia Verde. Esse arranjo irá representar juros anuais entre 9% e 10%. Se eu fosse contar somente com as opções anteriores de financiamento, os juros seriam de 13,65%, o que para mim tornaria o projeto inviável.”

As normas contratuais permitem até dois anos para conclusão da obra da CGH, que irá gerar em torno de 50 empregos diretos. Mas a expectativa do empresário é de que a Central esteja já funcionando em um ano e meio. Para Roberto, o Fundesul é tão importante para o desenvolvimento da Região Sul que precisa ter maior aporte. “Sinceramente acredito que os municípios irão perceber o retorno e passarão a disponibilizar mais recursos ao Fundo. Porque essa medida irá impulsionar toda a economia da região e minimizar um problema que têm castigado não apenas o Espírito Santo, mas também todo o país, que é a falta de emprego.”

O empresário defende que pelo fato do fundo ser direcionado a projetos menores, os empreendimentos serão distribuídos por diversos bairros, em diferentes municípios. “E assim, a abrangência social é muito maior do que se fosse um projeto enorme em um único local”, argumenta Attademo.

Diretor-presidente do Bandes, Aroldo Natal enfatiza que o Fundesul foi criado paraequalizar os investimentos entre as regiões Norte, já contemplada por recursos da Sudene, e Sul do Espírito Santo e também para ampliar as expectativas de implantação de novos negócios nesta última. Ele reitera que as linhas de financiamento com juros mais acessíveis possibilitaram uma competitividade em termos de indústrias e cadeias produtivas de empreendimentos de todos os portes que ajudam a desenvolver a região atendida pela Sudene.

“A novidade agora é que prefeituras dos municípios abrangidos podem se tornar cotistas do Fundo, ampliando as chances de trazer empreendimentos maiores e de apoiar suas empresas. São, inicialmente, R$ 50 milhões aportados pelo governo para serem alocados em linhas de crédito para empreendimentos privados dos 27 municípios da região. Entre os empreendimentos destinatários dos recursos estão projetos de empresas privadas em geral, cooperativas, polos de desenvolvimento e distritos industriais em formação”, informou Aroldo.

“O Bandes é o agente operador, já que tem uma expertise em fundos de investimento e em crédito com segurança e de forma tecnicamente adequada. A vantagem para o município é poder aplicar os recursos para atrair projetos privados usando a experiência do banco”, destaca.

“É preciso apoiar essas regiões, respeitando a vocação local, suas potencialidades, criando oportunidades de crescimento e de redução das desigualdades”, acrescenta o presidente.

Porto Central
Aportes

Ampliar a capacidade de investimento está entre as metas do Fundesul. O secretário de Desenvolvimento, Eduardo Azevedo, afirmou que, para ampliar o aporte inicial de R$ 50 milhões, além de recursos oriundos dos municípios, o Estado irá buscar recursos com o BNDES – Banco Nacional de Desenvolvimento – e ainda há a possibilidade de utilizar uma parte do montante vindo dos royalties.

Presidente Kennedy foi o primeiro município a aportar recursos no Fundesul, também no valor de R$ 50 milhões. A prefeita Amanda Quinta (foto) destacou a importância dessa linha de crédito para viabilizar a infraestrutura ao redor do Porto Central. Um complexo portuário multiúso, de águas profundas e classe mundial, com infraestrutura para atender empresas industriais e de serviços que dão suporte à indústria do petróleo e, também, para a operação de contêineres, granéis sólidos e líquidos, carga geral e veículos. Durante a obra, o empreendimento deve contratar 4,7 mil pessoas.

“O Porto Central depende de várias outras empresas alocadas ao redor dele, e Presidente Kennedy já vem se preparando para receber esse desenvolvimento. O Fundesul traz melhores condições de atração de investimentos, muito importante”, apontou a prefeita.

Pioneirismo: Presidente Kennedy aportou R$ 50 milhões no Fundesul

Em caso de dissolução e liquidação futura do Fundesul, os critérios para a devolução dos recursos às fontes ficarão a cargo do Governo do Estado.

Deixe seu comentário

Please enter your comment!
Favor insira seu nome